Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9519
Title: Histórias que a mídia conta: o discurso sobre o crime violento e o trauma cultural do medo
Authors: MELO, Patricia Bandeira de
Keywords: Crime violento;Discurso jornalístico;Cultura;Trauma cultural;Efeito de sentido
Issue Date: 31-Jan-2010
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Bandeira de Melo, Patricia; Luiz de Amorim Ratton Júnior, José. Histórias que a mídia conta: o discurso sobre o crime violento e o trauma cultural do medo. 2010. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.
Abstract: O objetivo de nossa pesquisa é estudar o discurso jornalístico acerca do crime violento como o instituto do mal que pode produzir o trauma cultural do medo compartilhado. A intenção não é abordar o crime violento como coisa-em-si, mas a representação que a imprensa faz dele em suas narrativas e as buscas por soluções que promovam a sua superação. São os sentidos circulantes, as cadeias de significação construídas na imprensa sobre as categorias crime violento, vítimas, perpetradores do mal e medo coletivo que iremos analisar nas narrativas jornalísticas. Para isso, recorremos à análise do discurso em textos selecionados no site do Jornal do Commercio e nos blogs dos jornalistas Ricardo Noblat e Jorge Antônio Barros, hospedados no site do jornal O Globo. O corpus em O Globo foi definido entre 8 de fevereiro de 2007 a 8 de fevereiro de 2008. A data inicial foi o dia em que foi publicada a primeira notícia sobre o crime contra o menino João Hélio, no Rio de Janeiro, até um ano após o fato. No JC, o corpus inclui o mesmo período, com episódios de ação humana violenta que tenham resultado em morte. O estudo teve como esteio teórico a sociologia cultural e a teoria do agenda-setting. A sociologia cultural nos oferece conceitos sobre cultura e o seu papel na definição das ações e formas de ver o mundo pelos indivíduos. Já a teoria do agendamento permite identificar os assuntos que ingressam na pauta da imprensa, definindo que problemas sociais devem ser alçados à condição de problema público. Dentro da perspectiva teórica da sociologia cultural, concluímos que o discurso jornalístico tem sido fundamental para construir e sustentar o trauma cultural do medo nos indivíduos, que passam a compartilhar os dramas das vítimas e de seus familiares de forma mediada pelos meios de comunicação
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9519
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Sociologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo439_1.pdf4.55 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.