Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9708
Título: Principais problemas encontrados pelas mães de crianças entre cinco e oito meses, relativos à transição alimentar, atendidas em um serviço de puericultura do Recife
Autor(es): Silva dos Santos, Carmina
Palavras-chave: Alimentação de Transição; Puericultura; Lactente; Mães
Data do documento: 2004
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Silva dos Santos, Carmina; Soares de Lima, Luciane. Principais problemas encontrados pelas mães de crianças entre cinco e oito meses, relativos à transição alimentar, atendidas em um serviço de puericultura do Recife. 2004. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.
Resumo: O estudo trata da transição alimentar de crianças entre cinco e oito meses, atendidas em serviço de Puericultura do Recife, no período de abril a agosto de 2003. Compõem esta dissertação: um artigo de revisão e um artigo original, o qual apresenta os resultados obtidos através da pesquisa. Identificar os lactentes de cinco a oito meses que estão sendo alimentados segundo a orientação do Ministério da Saúde (M.S.), atendidos no Serviço de Puericultura; detectar os principais problemas enfrentados pelas mães ao iniciarem a dieta de transição, e identificar o tipo de orientação recebida pelas mães, durante a consulta de enfermagem, para iniciar a transição foram os objetivos propostos pelo estudo. Foram incluídas 101 mães de crianças entre cinco e oito meses, em dieta de transição, que compareceram à consulta de enfermagem com seus filhos no período acima citado. Estas mães, antes da consulta, e após exposição sobre a pesquisa e assinatura do termo de consentimento, responderam a um questionário elaborado e aplicado pela pesquisadora, sendo a seguir encaminhadas, com suas crianças, à consulta de enfermagem. Foi detectado que 79% das crianças não estavam sendo alimentadas segundo as recomendações do Ministério da Saúde e os principais motivos apontados pelas mães para esta não adequação foram: a rejeição da criança ao alimento oferecido; as orientações da avó, e a comodidade no preparo do mingau em relação à alimentação salgada. Observou-se também que o enfermeiro foi o principal orientador para a alimentação de transição, seguido da avó
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9708
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Saúde da Criança e do Adolescente

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo8699_1.pdf291,27 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.