Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8751
Título: Correlação da expresão da proteína p53 comaspectos clínicos e histopatológicosem adenomas pleomórficos de glândula salivar maior
Autor(es): Cavalcanti das Neves, Jerlucia
Palavras-chave: Adenoma pleomórfico;Glândulas salivares maiores;Transformação maligna
Data do documento: 31-Jan-2008
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Cavalcanti das Neves, Jerlucia; do Carmo Carvalho de Abreu-e-Lima, Maria. Correlação da expresão da proteína p53 comaspectos clínicos e histopatológicosem adenomas pleomórficos de glândula salivar maior. 2008. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Patologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Resumo: O Adenoma pleomórfico (AP) é o mais comum dos tumores das glândulas salivares. Transformação maligna pode ocorrer após recorrências ou em casos com longo tempo de evolução. Objetivo: analisar os aspectos clínicoepidemiológicos, anatomopatológicos e a imunoexpressão da proteína p53, em adenomas pleomórficos de glândulas salivares maiores, correlacionando-os. Material e método: Foram avaliados 106 casos de AP pela pesquisa retrospectiva nos prontuários clínicos e revisão das preparações histológicas, bem como marcação para p53 através de técnica imunoistoquímica. Resultados: A média de idade dos pacientes foi de 39,51 anos; houve predomínio do sexo feminino (69,5%); a glândula parótida foi a mais acometida (86,8%); o tempo de evolução foi superior a um ano em 76,74% dos casos, com tamanho tumoral de 3,48 cm em média. A avaliação histopatológica demonstrou cápsula tumoral incompleta e delgada em 49,0% dos casos; protusões para a cápsula ou extensão extra-capsular foram infreqüentes,11.32% e 8.49%, respectivamente ;a matriz extracelular variou entre mixocondróide (41,5%), mixóide (36,8%), condróide (3,8%), fibrótica (1,9%) e associações entre os diversos tipos foram observadas.O componente epitelial-mioepitelial constituiu 50% ou mais do tumor em 65,10% dos casos e estava disposto em arranjo cordonal (86,8%), ductal (81,1%), sólido (40,6%) , cístico (20,7%) e em "paliçada" (8,49%). Metaplasia escamosa ocorreu em 16.04% dos casos. Alterações histopatológicas relacionadas à transformação maligna foram incomuns: hialinização extensa (4,7%) e necrose (0,9%). Houve positividade para a protéina p53 em 23,58% da amostra. Em 12,0% dos casos positivos para p53 foi observada presença de alteração histológica sugestivas de transformação maligna. Conclusões: confirma-se a diversidade histopatológica do AP. Características associadas à transformação maligna não foram freqüentes na amostra. Não houve correlação significativa entre a imunoexpressão do p53 e os achados associados à transformação maligna
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8751
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Patologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo4261_1.pdf8,79 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.