Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7716
Título: Flagrantes de rua: centros urbanos brasileiros e marginalidade nas crônicas de João do Rio e Fernando Bonassi
Autor(es): Dória Matos, Adriana
Palavras-chave: Literatura comparada; Crônica brasileira
Data do documento: 2007
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Dória Matos, Adriana; Márcio Tenório Vieira, Anco. Flagrantes de rua: centros urbanos brasileiros e marginalidade nas crônicas de João do Rio e Fernando Bonassi. 2007. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.
Resumo: Este trabalho busca uma análise comparativa entre as obras de João do Rio e Fernando Bonassi. O corpus escolhido foram as crônicas reunidas no livro A alma encantadora das ruas, de João do Rio, e 100 coisas e Passaporte, de Fernando Bonassi. Os pontos de interseção encontrados entre os autores são a temática a marginalidade urbana no Brasil do século XX e o espaço que os textos originalmente ocuparam, antes de serem vertidos em livro: as páginas de jornais diários de grande circulação no Brasil. A partir desses elementos em comum, interessa-nos observar aspectos literários relativos aos textos aqui analisados o gênero crônica, a tradição realista na prosa brasileira, a temática urbana , junto a aspectos exteriores à literatura que, no entanto, incidem sobre ela, como os contextos social e histórico em estão inseridas estas obras. Do ponto de vista da narrativa, é destacada a variedade formal com que se expressam os escritores pela crônica, sendo esta liberdade decorrente do fato de ela constituir-se como gênero híbrido de literatura e jornalismo. Consideramos também que, pelo seu papel simultaneamente artístico e reflexivo, a crônica solicita do autor atenção constante ao cotidiano e às coisas do mundo . A mimetização do real característica deste gênero remete-nos a um aspecto reincidente na prosa nacional, que se constitui numa tradição realista. Em diferentes momentos da nossa história literária encontramos obras que usam a realidade como matéria-prima, o que nos instiga a investigar os caminhos desta tradição. É sob estes paradigmas teóricos o gênero crônica e a existência de uma tradição realista na prosa brasileira que são analisadas a crônicareportagem de João do Rio e a crônica-conto de Fernando Bonassi. As referências bibliográficas usadas neste trabalho refletem o hibridismo dos textos selecionados. Ao lado de estudiosos no campo literário como Antonio Candido, Afrânio Coutinho, Davi Arrigucci Jr., Raúl Antelo e Walnice Nogueira Galvão foram também lidos autores das áreas de comunicação, como José Marques de Melo e Nelson Werneck Sodré, e história, como Nicolau Sevcenko
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7716
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Teoria da Literatura

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo7398_1.pdf1,21 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.