Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7678
Title: Fábulas da modernidade no acre: A utopia modernista de Hugo Carneiro na década de 1920
Authors: Roberto Gomes de Souza, Sergio
Keywords: Resistência;Hugo Carneiro;Saberes técnico/científico;Engenheiros;Médicos;Rio Branco;Acre;Urbanismo
Issue Date: 2002
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Roberto Gomes de Souza, Sergio; Maria Barros dos Santos, Ana. Fábulas da modernidade no acre: A utopia modernista de Hugo Carneiro na década de 1920. 2002. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2002.
Abstract: Procuramos neste trabalho intitulado Fábulas da modernidade no Acre: a utopia modernista de Hugo Carneiro na década de 20, dialogarmos com as inúmeras tentativas do poder público, durante a administração do governador Hugo Ribeiro Carneiro (1927 1930), em transformar o Território do Acre e, em especial, a cidade de Rio Branco, sua capital, em espaços modernos bem como as diversas formas de resistência desenvolvidas pela população às ações impositivas e truculentas que visavam mudar hábitos, valores e modos de vida. Os principais referenciais do novo governo eram, fundamentalmente, os preceitos desenvolvidos por urbanistas europeus a partir do século XIX que objetivavam racionalizar o espaço das cidades estabelecendo uma lógica na sua forma de organização. Os ambientes deveriam ser devidamente distribuídos de acordo com as atividades desenvolvidas e as relações sócio-econômicas estabelecidas. Assim, centros de comércio e indústrias não deveriam misturar-se com locais de moradia e era impensável a convivência, em um mesmo espaço, entre pobres e ricos. Os fundamentos para o desenvolvimento desses novos olhares para a cidade calcava-se nos saberes técnicos/científicos de médicos e engenheiros que tornam-se especialistas do espaço urbano ditando, com bases em seus conhecimentos científicos , como a cidade deveria se organizar e a população se comportar. Esses preceitos deveriam ser naturalizados e transformados em inquestionáveis verdades , devendo ser devidamente punido ou excluído do convívio social todos os atores e práticas que não se adequassem a esta nova concepção de urbano . Estas concepções foram importantes referencias para Hugo Carneiro, que tinha como principal objetivo, fazer soprar no Acre os ventos da modernidade . À utopia modernista do governado, no entanto, ocorreram inúmeras formas de resistência. Algumas, na forma de manifestações ou protestos de grande envergadura, outras, ocorrendo na forma de uma resistência surda , tão sutil, que somente quando chegava ao nível institucional, seja na forma de denúncias em delegacias de polícia, internações em hospitais e processos judiciais, poderiam ser detectadas
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7678
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - História

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo7615_1.pdf674.23 kBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.