Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6947
Título: As latitudes do trágico em Os Sertões
Autor(es): PEREIRA, João Batista
Palavras-chave: Trágico; Os sertões; Euclides da Cunha; Contradição
Data do documento: 31-Jan-2011
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Batista Pereira, João; Lucia Ramalho de Farias, Sonia. As latitudes do trágico em Os Sertões. 2011. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.
Resumo: Condicionado pelos enquadramentos científicos e epistemológicos referenciados em Os sertões, a identificação da tragicidade que acompanha a obra consistiu no objetivo a ser alcançado na presente tese. Lastreada por uma topografia narrativa que assumiu a História como o critério definidor do seu estatuto, a emergência do trágico adotado exigiu a oposição da vontade e ação do homem à realidade como o foro no qual esse pathos se plasmou na modernidade. Sintomático das sendas trilhadas por Euclides da Cunha ao deliberar sobre as tensões político-sociais sedimentadas na formação do Brasil, o conflito foi assimilado como eixo irradiador de onde se definiram categorias passíveis de verificar sua presença textualmente. Concebendo a obra modelada dialeticamente, cuja figuração em A Terra correspondeu a uma tese, as reflexões que nela se sobressaem derivaram do Positivismo. Esta vertente filosófica abrigou um arcabouço teórico no qual o desvirtuamento da ordem natural pelo movimento dos seres e a similitude foram marcas que denunciaram o confronto entre a geografia do sertão e a linguagem que a descreveu. Timbrado por pressupostos distintos da normatividade imposta na recriação do espaço, em O Homem ficou retido narrativamente um perfil antitético, acepção que guardou crédito ao Evolucionismo Social. Ascendendo como tipologias que refletiram o conflito entre a razão científica e a experiência, os deslocamentos dos bandeirantes, jesuítas e de Antonio Conselheiro, aliados ao pensamento que o mobilizou pela negação, elevação e preservação, referendaram um discurso crítico pautado na pluralidade do ethos sertanejo. Explicitando ambigüidades no discurso decorrente das estruturas de poder derruídas pelas imagens de revolta e resistência dos canudenses, em A Luta ficou patenteado um trágico processo que encontrou na contradição um ponto de interseção de uma nação dividida pelo tempo. A representação conflituosa entre o presente, alicerçado na idealização da República, e o passado do país, refluindo sob o signo da barbárie, repercutiu na instável síntese alcançada pelo autor, insinuando ter sido aquela uma guerra cujos perdedores habitavam dois mundos: o Brasil do litoral, erigido pelo seu universo ideativo, e o sertão, reclamando pelo reconhecimento da História
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6947
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Teoria da Literatura

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo1038_1.pdf1,54 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.