Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3927
Title: DE QUE NATUREZA SE FALA NA ESCOLA: Representação social de professores e alunos no contexto da educação ambiental
Authors: Maria Alves e Silva, Lucia
Keywords: Educação ambiental;Natureza;Representação social
Issue Date: 31-Jan-2009
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Maria Alves e Silva, Lucia; de Souza Leão Maia, Lícia. DE QUE NATUREZA SE FALA NA ESCOLA: Representação social de professores e alunos no contexto da educação ambiental. 2009. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.
Abstract: A realização deste trabalho volta-se para o conhecimento sobre as representações sociais de natureza, que estão circulando na escola, no contexto de diferentes disciplinas científicas e níveis de ensino/escolaridade da educação formal, e, das orientações teóricas e determinações legais e institucionais para a introdução da educação ambiental. A pesquisa envolveu alunos e professores dos níveis médio e superior de ensino/escolaridade e das disciplinas: biologia, geografia, sociologia, português e matemática. Esta foi realizada em instituições de ensino privado e público, nos municípios de Recife e Olinda PE. Foram entrevistados 426 sujeitos. Utilizou-se como referencial teórico-metodológico a teoria das Representações Sociais (MOSCOVICI). A obtenção e análise dos dados seguiram uma orientação pluri-metodológica, orientada pela perspectiva da psicologia societal (DOISE) e complementada pela abordagem estrutural (ABRIC). Este estudo identificou: 1) o campo comum das representações sociais; 2) as peculiaridades grupais; e, 3) a ancoragem destas representações. Revelou-se um significado normativo (necessidade de preservação da vida) compartilhado por todos os grupos. Sentido que foi resignificado em peculiaridades grupais (natureza provedora, diversidade de vida, interação sociedade/natureza e preocupação com o futuro), na relação com as áreas disciplinares e níveis de ensino/escolaridade dos professores e alunos envolvidos. As representações estão num espaço de transformação de uma perspectiva de superioridade e domínio dos seres humanos frente à natureza, para uma representação de mais interação, que é traduzida tanto no reconhecimento da dependência da natureza, como nas novas práticas ensaiadas. Emergem idéias, valores, crenças e atitudes que não estão sintonizadas com o que está proposto para a educação ambiental. De tudo o que se revelou, o mais preocupante é a predominância da perspectiva individual em que as práticas são ensaiadas. Não se reconhece que todas as interações humanas com e na natureza estão no contexto de um modelo de sociedade, e desta forma se caracterizam não apenas enquanto interações entre ser humano/natureza, mas principalmente como sociedade/natureza. Caminho, que pode está configurando nova representação hegemônica, prenhe de conteúdos alienados acerca de natureza . Espera-se, com este estudo, está colaborando com a consolidação de um espaço de conhecimento, que contribua para facilitar o diálogo entre os conhecimentos científicos e os conhecimentos do senso comum que circulam na escola, acerca da natureza e da relação sociedade/natureza, no contexto da preocupação com a formação dos professores e com uma ação participativa, crítica e transformadora em educação ambiental
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3927
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Educação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo3413_1.pdf4.21 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.