Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3816
Título: Alfabetização: evolução de habilidades cognitivas envolvidas na aprendizagem do sistema de escrita alfabética e sua relação com concepções e práticas de professores
Autor(es): Maria Soares Bezerra Rios Leite, Tânia
Palavras-chave: Alfabetização; Psicogênese da escrita; Conhecimento de letras; Consciência fonológica; Prática docente.
Data do documento: 31-Jan-2011
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Maria Soares Bezerra Rios Leite, Tânia; Gomes de Morais, Artur. Alfabetização: evolução de habilidades cognitivas envolvidas na aprendizagem do sistema de escrita alfabética e sua relação com concepções e práticas de professores. 2011. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.
Resumo: Esse trabalho buscou analisar a evolução de habilidades cognitivas envolvidas na aprendizagem do sistema de escrita alfabética e sua relação com concepções e práticas de professores. Como objetivos específicos, nos propusemos a analisar: a) como as professoras alfabetizadoras realizam sua atuação docente, frente às estratégias orientadas para o trabalho de apropriação do sistema de escrita; b) como a compreensão do funcionamento do alfabeto evolui ao longo do ano letivo (estágio de escrita) entre os alunos de duas turmas de alfabetização; c) como as habilidades fonológicas evoluem ao longo do ano letivo e identificar como se relacionam à evolução dos estágios de escrita e ao conhecimento do nome das letras; d) como o conhecimento do nome das letras evolui ao longo do ano letivo e como se relaciona à evolução dos estágios de escrita e das habilidades de reflexão fonológica; e) como práticas pedagógicas diferentes de duas professoras de Rede Pública de Ensino influenciariam o desenvolvimento da psicogênese (compreensão da escrita alfabética), das habilidades de reflexão fonológica e o conhecimento do nome das letras, durante a aprendizagem da leitura e da escrita. Nos apoiamos, sobretudo, nos estudos sobre consciência fonológica, na teoria da psicogênese da língua escrita, nos estudos sobre o papel do conhecimento do nome das letras na alfabetização, bem como nas contribuições da teoria da fabricação do cotidiano escolar e da perspectiva da apropriação dos saberes da ação docente. Em três ocasiões, durante o ano letivo de 2008, examinamos 40 crianças, alunos do 1º ano do 1º ciclo de duas escolas da Rede Pública Municipal de Recife, oriundos de grupo sociocultural desfavorecido. Em cada ocasião, estes sujeitos respondiam a: I) atividades de escrita espontânea, para identificar o nível de compreensão da escrita alfabética, II) três atividades de conhecimento de letras (nomeação, identificação e produção; III) doze diferentes atividades de reflexão metafonológica. O acompanhamento das duas professoras foi realizado no período de fevereiro a dezembro de 2008, correspondendo ao total de 40 observações (20 dias para cada professora) durante todo o ano letivo. Esse universo nos permitiu apreender certas variações e especificidades das concepções e práticas das docentes, a partir de alguns eixos do ensino de língua (Sistema de Escrita Alfabética, Leitura e Produção de textos). Os resultados mostraram que: 1) com relação à evolução da compreensão do sistema de escrita alfabética, as crianças de ambas as escolas, de um modo geral, evoluíram consideravelmente da primeira à última coleta, não ocorrendo nenhuma regressão; 2) as crianças de ambas as escolas, em todas as três coletas, tiveram rendimentos mais altos na tarefa de Nomeação que nas demais tarefas sobre letras. Por sua vez, a tarefa de Identificação foi menos complexa que a tarefa de Produção de letras e não foram significativas as diferenças das duas turmas, nas três tarefas de conhecimentos de letras, durante quase todo o ano letivo; 3) os níveis de escrita estiveram correlacionados significativamente com os resultados nas tarefas sobre conhecimentos de letras, em todas as etapas do ano letivo. À medida que as crianças avançavam em seus diferentes níveis de escrita, a tendência era crescer o número de acertos, mas não parecia haver nenhuma relação causal direta entre conhecer letras e ter desenvolvido hipóteses mais avançadas de escrita. 4) No tocante à dificuldade das diferentes tarefas de CF, esta se apresentou em vários níveis, partindo de alguns muito simples (por exemplo, na separação oral e contagem de sílabas) para outros muito complexos, como verificado nas habilidades das crianças em analisar e segmentar fonemas. Quanto à relação entre o desempenho nas habilidades fonológicas e a evolução das hipóteses de escrita, os resultados nos mostraram que as crianças com níveis mais avançados de compreensão do sistema de escrita alfabética de ambas as escolas tendiam a apresentar melhores desempenhos na maioria das tarefas metafonológicas, embora alguns sujeitos ainda sem hipótese alfabética também se saíssem bem naquelas tarefas. Também verificou-se que o conhecimento de letras correlacionou-se positivamente com todas as tarefas de consciência fonológica, durante todo o ano letivo e que as práticas pedagógicas nas duas escolas não teriam produzido diferenças significativas nos desempenhos das crianças nas tarefas metafonológicas. 5) Finalmente, encontramos, algumas similaridades na prática das docentes, mas, também, diferenças nas soluções didáticas fabricadas para ensinar a notação alfabética. Cada docente encaminhava diferentemente o processo de alfabetização, não só no que concerne ao ensino das correspondências grafofônicas, mas, também, quanto às relações que estabeleciam entre o ensino da escrita alfabética e a realização de práticas de leitura e produção de textos
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3816
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Educação

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo2540_1.pdf1,08 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.