Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3731
Título: Desenvolvimento de conceitos espontâneos e científicos por crianças de 6 e 7 anos
Autor(es): Maria de Andrade da Silva Caraúbas, Lúcia
Palavras-chave: Educação Infantil; Interação Social; Conceito Científico; Conceito Espontâneo
Data do documento: 31-Jan-2010
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Maria de Andrade da Silva Caraúbas, Lúcia; Isabel Patricio de Carvalho Pedrosa, Maria. Desenvolvimento de conceitos espontâneos e científicos por crianças de 6 e 7 anos. 2010. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.
Resumo: Este trabalho objetiva examinar o processo de construção de conceitos científicos por crianças entre 6 e 7 anos, a partir de conceitos espontâneos por elas empregados em situações cotidianas, dentro e fora da escola. O suporte teórico da investigação é a teoria de Vygotsky (1987; 1988; 1998 e 2001), que discute a formação de conceitos científicos e conceitos espontâneos como processos que se relacionam e se influenciam continuamente, constituindo-se, assim, em um único processo. Esse autor enfatiza, também, os primórdios da vida da criança imersos em um sistema de significações sociais produzidas e acumuladas historicamente. Outros autores que dialogam com as ideias vygotskyanas, a exemplo de Van der Veer e Valsiner (2001), Luria (1987), Moll (2002), Piaget (1973) e Wallon (1971), são também trazidos ao debate. Para atender ao caráter descritivo e exploratório da pesquisa, optou-se pela abordagem qualitativa, por ser essa modalidade centrada na compreensão do processo de aquisição sob a ótica dos sujeitos envolvidos, sem declinar da interpretação própria do pesquisador. Foram planejadas duas situações de coleta de dados: entrevistas individuais e intervenção pedagógica, ambas registradas em vídeo. O locus da pesquisa foi uma instituição educacional da rede municipal de ensino da cidade do Recife, com a participação de 18 crianças de 6 e 7 anos, de ambos os sexos. Na construção dos dados, foram priorizados episódios interacionais, com destaque para os registros em que as crianças formulam explicações ou levantam questionamentos sobre conceitos relacionados ao meio ambiente, apresentando indícios de conflitos cognitivos ou de busca de resolução desses conflitos, tomados como instigadores de processos de desdobramento e reformulação de seus pensamentos, em busca de uma compreensão mais apropriada sobre o meio ambiente. Os resultados apontam os conceitos construídos como frutos das interações sociais, com destaque para as experiências cotidianas construídas em processos diretos de observação e comparação, sob influência materna e da mídia, sobretudo a televisiva. Destaca-se, ainda, a mistura de impressões do mundo real com o mundo fantástico. Em síntese, os dados indicam que crianças, nessa faixa etária, são capazes de produzir conhecimento quando engajadas em atividades significativas. Seu pensamento é de natureza dinâmica, constantemente sujeito a transformações e reelaborações coerentes, consistentes e abrangentes. Isso ratifica a ideia de que a participação e a aprendizagem são instigadas por situações de interação com o outro e com as ferramentas culturais. O trabalho aponta para a importância da observação do cotidiano da criança, para ajustar situações de ensino que mais apropriadamente se articulem à formação de conceitos, bem como para a necessidade de pesquisas que ampliem esse campo de estudo
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3731
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Educação

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo204_1.pdf1,23 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.