Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3638
Título: As fronteiras da representação: imagens periféricas no cinema francês contemporâneo
Autor(es): ANDRADE, Catarina Amorim de Oliveira
Palavras-chave: Subalternidade; Cinema francês; Diáspora; Pós-colonialismo; Multiculturalismo; Identidade
Data do documento: 31-Jan-2010
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Amorim de Oliveira Andrade, Catarina; Freire Prysthon, Ângela. As fronteiras da representação: imagens periféricas no cinema francês contemporâneo. 2010. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.
Resumo: Este trabalho pretende investigar a presença e as diferentes formas de representação dos grupos socialmente marginalizados no cinema francês contemporâneo. Para isso, procuro entender as transformações sociais, políticas, culturais e estéticas do mundo contemporâneo e sua complexa conjuntura assinalada por sociedades multiculturais, sujeitos diaspóricos, diluição de fronteiras etc, assim como o sujeito pós-moderno, que surge de um processo essencialmente pós-colonial (as diásporas), e busca, na contemporaneidade, uma identidade cultural, negociando constantemente com novas culturas e tentando adaptar suas identidades a novas realidades. É evidente que, se as sociedades se transformam, os indivíduos também se transformarão e passarão a estabelecer novas relações uns com os outros, tão complexas quanto o próprio lugar em que vivem. Além disso, a facilidade e/ou a necessidade de deslocar-se contribuem fortemente para a formação de comunidades multiculturais, multirraciais, sincréticas e, portanto, de sujeitos híbridos, expostos a diferentes culturas, pátrias, hábitos alimentares, religiões. Essas periferias cosmopolitas , portanto, têm sido foco de reportagens, em impressos e na televisão, de obras literárias e cinematográficas. Dessa forma, decidi tomar o cinema francês contemporâneo como base dessas reflexões, por acreditar que a produção abordando as camadas subalternas aumentou consideravelmente na França nas duas últimas décadas, o que resultou em expressivos filmes como O Ódio (Mathieu Kassovitz, 1995), A cidade está tranquila (Robert Guédiguian, 2000), A Esquiva (Abdellatif Kechiche, 2004), Dias de Glória (Rachid Bouchareb, 2006), analisados neste trabalho
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3638
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Comunicação

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo98_1.pdf2,44 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.