Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3577
Título: Avaliação toxicológica pré-clínica com extrato bruto seco das folhas de Cymbopogon citratus Stapf plantado às margens de estradas
Autor(es): SILVA, Maria Almerice Lopes da
Palavras-chave: Cymbopogon citratus; Metais pesados; Hidrocarbonetos Poliaromáticos; Poluição; Toxicidade
Data do documento: 31-Jan-2008
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Almerice Lopes da Silva, Maria; Sheila Higino, Jane. Avaliação toxicológica pré-clínica com extrato bruto seco das folhas de Cymbopogon citratus Stapf plantado às margens de estradas. 2008. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Resumo: É comum no estado de Pernambuco, a existência de cultivo de plantas medicinais e hortaliças às margens de estrada. Estes ambientes são bastante insalubres devido a fumaça oriunda dos motores dos veículos, pois estas são compostas de substâncias tóxicas como os metais pesados e os hidrocarbonetos poliaromáticos (HPAs). Tais substâncias se depositam no solo e nas partes aéreas das plantas que se encontram expostas, sendo absorvidos por esses vegetais. Assim, as folhas dessas plantas podem estar sendo transportadores destes contaminantes, apresentando assim uma potencialidade tóxica aos seus consumidores. Dentre as plantas medicinais mais encontradas no cultivo em estradas, está o Cymbopogon citratus Stapf, conhecido por capim-santo, capim-cidreira ou capim-de-estrada, que foi objeto do nosso estudo. O presente trabalho avaliou o risco à saúde de pessoas que fazem uso do chá do Cymbopogon citratus plantado em margens de rodovias e estradas, comparando os resultados com a mesma espécie plantada em local livre de circulação de veículo. As amostras foram coletadas na BR-101 (área com alta circulação de veículos) e no jardim do Laboratório de Fitoterapia de Olinda PE. Foram realizados ensaios in vivo e in vitro, além da quantificação de metais e HPAs presentes no chá e nas folhas e realização do estudo fitoquímico para observar diferenças entre os constituintes das duas plantas. Os resultados mostraram comportamentos diferentes entre ambas as plantas nos testes aplicados, concluindo que a interferência ambiental pode sim alterar atividade biológica do chá de Cymbopogon citratus. Esta interferência atribuiu ao chá da planta exposta à poluição certa toxicidade, ainda não descrita na literatura, observada através das alterações de hemograma, parâmetros bioquímicos e da observação histológica do fígado. Logo, o consumo de chás dessa planta e de outras expostas às mesmas condições pode apresentar um risco a saúde aos adeptos da medicina popular
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3577
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Ciências Farmacêuticas

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo6272_1.pdf2,42 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.