Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/23889
Título: Micronutrientes antioxidantes no exercício físico: uma revisão da literatura
Autor(es): MORAES, Lucas Lambert
Palavras-chave: Antioxidantes; Estresse oxidativo; Exercícios físicos – Aspectos fisiológicos
Data do documento: 2-Mar-2018
Citação: MORAES, L. L.
Resumo: Um dos fatores que influenciam diretamente na saúde do corpo e bem estar do ser humano é a nutrição. Entre os nutrientes da dieta, os micronutrientes (vitaminas e minerais) embora necessários em pequenas quantidades, são essenciais para o bom funcionamento e manutenção do organismo. Em relação às propriedades antioxidantes dos micronutrientes essas são de extrema importância para o estado nutricional e para o metabolismo, em especial em situações de produção acentuada de radicais livres como ocorre no exercício físico. O estudo teve por objetivo revisar os efeitos antioxidantes dos micronutrientes no exercício físico. Trata-se de uma revisão bibliográfica, a partir de recortes e conteúdos específicos, sendo utilizada como método a coleta de dados, com pesquisa de periódicos publicados, no periodo entre 2000 a 201 6, nas bases de dados: Scielo, Pubmed e Google acadêmico. Dentro desse recorte foram selecionados 52 periódicos. Os descritores utilizados na busca do material foram: micronutrientes, vitaminas, minerais. Estas palavras foram associadas com atleta, atividade física, exercício, treinamento e esporte, em português e em inglês. Os resultados apontaram que independente do tipo de exercício realizado, indivíduos que se submetem a exercícios extenuantes estão expostos a um processo deletério nas células e tecidos, com prejuízo no desempenho, cuja redução nos estoques corporais de substâncias antioxidantes pode contribuir, significativamente, para o aumento do estresse oxidativo. Dentre as vitaminas com potencial antioxidantes destacam-se as vitaminas A, C e E. Elas apresentam um importante papel na proteção das membranas celulares contra danos oxidativos, além disso, podem ter efeito positivo na performance e prevenção da fadiga. Já os minerais selênio, zinco e magnésio participam de alguma forma, dos processos para atenuar os efeitos do estresse oxidativo, seja impedindo a formação dos radicais livres ou espécies não radicais (sistemas de prevenção); neutralizando os radicais livres, impedindo, assim, a ação desses sistemas varredores; ou favorecendo o reparo e a reconstituição das estruturas biológicas lesadas. A partir do estudo foi possível concluir que a prática regular de exercício físico, juntamente a uma dieta equilibrada, rica em componentes antioxidantes, como as vitaminas e minerais é, por essência, um fator de grande importância na modulação do estresse oxidativo, mantendo o processo oxidativo dentro de sua normalidade fisiológica.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/23889
Aparece na(s) coleção(ções):TCC - Nutrição

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
MORAES, Lucas Lambert..pdf1,21 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons