Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/23482
Título: Simulação de um tratamento radioterápico crânio-espinhal utilizando um fantoma de voxel infantil e espaços de fase representativos de um acelerador linear
Autor(es): SANTOS, Patricia Neves Cruz dos
Palavras-chave: Técnica crânio-espinhal; Modelos computacionais de exposição; Fantoma pediátrico; Simulador de linac; Código Monte Carlo
Data do documento: 24-Ago-2016
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Os tumores do Sistema Nervoso Central (SNC) representam o segundo grupo de neoplasias mais frequentes na infância. A técnica radioterápica crânio-espinhal é considerada padrão para pacientes diagnosticados com meduloblastoma e outros tumores cerebrais com tendências a disseminação liquórica. Este tratamento é realizado com dois campos craniais bilaterais e um ou dois campos espinhais póstero-anterior, com o paciente deitado em decúbito ventral e imobilizado com o auxílio de uma máscara termoplástica. É possível encontrar registros de pacientes pediátricos com sequelas radioinduzidas após serem submetidos a tratamentos radioterápicos do SNC, o que justifica a importância de avaliações dosimétricas. Modelos Computacionais de Exposição (MCE) são desenvolvidos com a finalidade de realizar avaliações dosimétricas e são compostos, em sua maioria, por um fantoma antropomórfico, um código Monte Carlo e um algoritmo de fonte radioativa. Neste trabalho foram desenvolvidos MCEs para os campos do tratamento crânio-espinhal e a distribuição de dose em órgãos e tecidos radiossensíveis foi avaliada por meio da dose absorvida/kerma incidente no ar. Foi desenvolvido um fantoma mesh feminino nomeado SARA (Simulador Antropomórfico para Dosimetria das Radiações Ionizantes em Adolescentes). O algoritmo da fonte Acelerador Linear (linac) foi implementado no código de usuário do EGSnrc e a sua distribuição de fótons foi dada por arquivos espaços de fase. Os resultados dosimétricos validam o acoplamento do fantoma a fonte desenvolvida e são parciais, visto que, o fantoma SARA ainda não possui os tecidos ósseos radiossensíveis segmentados.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/23482
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Tecnologias Energéticas e Nucleares

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO Patricia Neves Cruz dos Santos.pdf2,64 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons