Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2173
Title: Evolução do DNA satélite na subfamília aurantioideae (Rutaceae)
Authors: Emília Barros e Silva, Ana
Keywords: Aurantioideae;Citrus;Cromossomos;DNAr;DNA satélite;FISH
Issue Date: 2007
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Emília Barros e Silva, Ana; dos Santos Guerra Filho, Marcelo. Evolução do DNA satélite na subfamília aurantioideae (Rutaceae). 2007. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.
Abstract: A subfamília Aurantoideae (Rutaceae) está representada por cerca de 200 espécies, destacando-se àquelas pertencentes ao gênero Citrus, pela sua importância econômica. Do ponto de vista citogenético, o padrão de bandas heterocromáticas de Citrus e gêneros relacionados é o parâmetro mais importante para comparação entre espécies, por ser bastante variável. Embora essas bandas sejam ricas em GC, o que é demonstrado pela coloração com cromomicina A3 (CMA), a natureza dessas bandas ainda é desconhecida. Neste trabalho foi realizada uma análise comparada da distribuição das bandas CMA, dos sítios de DNAr 5S e 45S e de uma seqüência satélite isolada de Citrus sinensis nos cromossomos de representantes de alguns gêneros, através da hibridização in situ fluorescente (FISH), visando compreender a evolução da heterocromatina dentro da subfamília. Os resultados mostraram que os sítios de DNAr 5S ocorrem quase sempre muito proximamente ligados aos sítios de DNAr 45S, sugerindo que a conservação dessa ligação foi mantida por pressão de seleção. Um aspecto importante dessa associação é que a posição cromossômica dos sítios de DNAr 5S e 45S variou entre as espécies sem alterar a orientação cromossômica destes, indicando a ocorrência de diversos rearranjos cromossômicos. Por outro lado, o DNA satélite rico em GC isolado de C. sinensis, hibridizou na maioria dos blocos heterocromáticos das três espécies investigadas de Citrus, em Fortunella obovata e em Poncirus trifoliata, sugerindo que essa seqüência seja um dos principais componentes das bandas CMA observadas em Citrus e gêneros próximos. Contudo, essa seqüência não hibridizou em Murraya paniculata, uma espécie mais afastada de Citrus, mas com padrão de bandas heterocromáticas similar a este. Portanto, seqüências satélites diferentes podem ter sido amplificadas em grupos distintos de espécies de Aurantioideae, gerando padrões de bandas similares. Esses dados indicam que padrões de bandas similares não indicam necessariamente homeologia cromossômica
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2173
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Ciências Biológicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo5293_1.pdf1.93 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.