Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2028
Título: Extração de pigmentos carotenóides de resíduos do processamento do camarão branco Litopenaeus vannamei utilizando autólise proteolítica
Autor(es): Diniz Santos, Suzan
Palavras-chave: Enzimas; Carotenóides; Litopenaeus; Análise cromatográfica
Data do documento: 2006
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Diniz Santos, Suzan; de Souza Bezerra, Ranilson. Extração de pigmentos carotenóides de resíduos do processamento do camarão branco Litopenaeus vannamei utilizando autólise proteolítica. 2006. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Bioquímica, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.
Resumo: Os carotenóides consistem de uma das classes de pigmentos orgânicos mais abundantes na natureza. Eles estão presentes em organismos fotossintéticos, em fungos, bactérias, algas e em todas as classes de animais, desde os protozoários até os homens. Incluem um grupo de substâncias que possuem diferentes propriedades biológicas como fortalecer o sistema imunológico, reduzir o risco do desenvolvimento de doenças degenerativas, estimular comunicação celular. O trabalho propõe um processo de extração destes pigmentos de resíduos (cabeças) do camarão Litopenaeus vannamei, através de hidrólise proteolítica. Foi realizada autólise em vez da utilização da protease comercial, Alcalase_. Previamente, foi estabelecido que a atividade enzimática do extrato bruto de camarão utilizando azocaseína 1% (p/v) foi duas vezes maior que com Alcalase_ 0,5% (p/v). As cabeças de camarão foram homogeneizadas em água destilada (1:1, p/v) e incubadas durante 2h a 40oC (autólise). Posteriormente, a temperatura foi elevada para 100oC durante 10 min e o homogeneizado centrifugado a 10.000 x g durante 10 min. Os carotenóides foram recuperados do precipitado através de extração com etanol 90% como demonstrado através de espectrofotômetro (470nm). Não houve diferença significativa no conteúdo de carotenóides extraídos através desse processo comparado com aquele em que foi utilizando Alcalase_. Astaxantina foi encontrada como sendo o carotenóide de maior ocorrência no extrato etanólico, sendo confirmado através dos métodos de TLC, HPLC e métodos espectroscópicos (UV-visível)
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2028
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Bioquímica e Fisiologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo4872_1.pdf1,33 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.