Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18299
Title: Utilização de plantas medicinais e fitoterapia na estratégia saúde da família no município de Recife: impacto de ações implementadas sobre a prescrição e recomendação
Authors: ARAÚJO, Danielle Dayse
Keywords: Fitoterapia;Plantas medicinais;Medicina tradicional;Atenção básica à saúde;Atenção primária à saúde;Sistema Único de Saúde;Phytotherapy;Medicinal plants;Traditional medicine;Basic health care;Primary health care;Unified Health System
Issue Date: 30-May-2014
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Abstract: A inserção das plantas medicinais nos sistemas de saúde tem sido recomendação da OMS em função da sua ampla utilização pela população, mesmo com acesso aos serviços de saúde. No Brasil, a criação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares e da Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos veio a legitimar o uso de plantas medicinais no SUS, especialmente na atenção básica. No Recife, embora implantada antes das políticas nacionais, a fitoterapia teve nos últimos anos a implementação de novos serviços e a criação, em 2012, de uma política municipal respaldando a prática. Considerando o acima exposto, o objetivo do estudo foi avaliar o impacto na prescrição e recomendação da fitoterapia e plantas medicinais pela Estratégia Saúde da Família após a inserção de medicamentos fitoterápicos na rede SUS-Recife e a criação da Política Municipal de Práticas Integrativas e Complementares. Foi realizado um estudo descritivo de corte seccional e atributos de painel repetido entre Novembro e Dezembro de 2013 com médicos, enfermeiros e dentistas das Unidades de Saúde da Família do Distrito Sanitário IV do Recife. Os dados obtidos constituíram o painel atual, que foram comparados aos dados de uma pesquisa realizada em 2011 (primeiro painel), previamente a disponibilização dos fitoterápicos na rede e a criação da Política Municipal, a qual abordou diversas práticas integrativas e complementares, incluindo a fitoterapia e plantas medicinais. Para análise estatística foi utilizado o teste de Qui-quadrado através do programa SPSS versão 13.0. Foram verificados entre os dois painéis, aumentos significativos relacionados ao uso pessoal da fitoterapia pelos profissionais, bem como o uso da fitoterapia e de preparações de plantas medicinais para suas famílias. Entretanto, a prescrição e a recomendação das práticas não elevaram-se significativamente. Avaliando o painel atual foi verificado que 70,0% dos profissionais não tem formação na área, embora 92,4% a deseje. Ainda verificou-se associação estatística entre a formação dos profissionais e a recomendação das práticas avaliadas, o que não foi observado para a variável prescrição. A implementação da fitoterapia e plantas medicinais no SUS-Recife mostrou-se conhecida por 66,7% dos sujeitos, com apenas 2,6% referindo não desejá-las. O conhecimento de legislação municipal foi relatado apenas por 12,3% dos profissionais e a disponibilidade de fitoterápicos na rede municipal por 45,2% dos participantes. Com os dados obtidos, foi possível concluir que apesar da evolução na implementação da fitoterapia e plantas medicinais no Recife, são necessárias ações para sua consolidação no sistema municipal de saúde, especialmente no que se refere à comunicação e divulgação dos serviços aos profissionais bem como a realização de capacitação e educação permanente na área, de forma a garantir o acesso do usuário a tais práticas.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18299
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Ciências Farmacêuticas



This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons