Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/13831
Title: Chaetognatha do Arquipélago de Fernando de Noronha (NE, Brasil)
Authors: MELO, Danielle Caroline da Mota
Keywords: Zooplâncton;Arquipélago;Atlântico Tropical
Issue Date: 4-Mar-2015
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Abstract: Dentre os principais grupos que compõem o zooplâncton, Chaetognatha é um filo cosmopolita dos mares e oceanos do mundo, reunindo organismos de grande importância ecológica, uma vez que atuam na posição de eficientes predadores, indicadores de áreas pesqueiras e de movimentos de massas d’água. Contudo, apesar de sua clara importância no meio marinho, Chaetognatha é pouco estudado no Oceano Tropical, principalmente em áreas oceânicas do nordeste brasileiro. Esta região é caracterizada pela presença de bancos e ilhas oceânicas, ambientes que podem influenciar diretamente na estrutura das comunidades locais, modificando a distribuição diária e espacial dos organismos. Dentro deste contexto, este estudo foi dividido em dois capítulos, com objetivo de avaliar como o fotoperíodo e a proximidade de Fernando de Noronha influenciam a abundância e a diversidade das espécies de Chaetognatha (I Capítulo); E analisar como a densidade, biomassa e fator de condição das duas espécies mais abundantes comportam-se em Fernando de Noronha, considerando-se seus estágios de desenvolvimento. Para isto, foram estabelecidas duas transecções de amostragem em relação ao fluxo principal da Corrente Sul Equatorial: uma anterior (nordeste) e outra posterior ao arquipélago (sudoeste), cada uma formada por três estações (A, C e E) com coletas diurnas e noturnas. As amostras foram obtidas durante a estação chuvosa (julho/2010), através de arrastos oblíquos de 0-150 m, com redes de plâncton do tipo bongô (500 e 300 m). Em paralelo à coleta de material biológico foram coletados dados abióticos para a caracterização hidrológica. Para o cálculo da biomassa, as medidas do comprimento total das espécies foram obtidas por meio do equipamento ZooScan. Os parâmetros que apresentaram maiores variações na coluna d’água foram a temperatura, oxigênio e fluorescência, enquanto que a salinidade e o pH permaneceram constantes. A comunidade de Chaetognatha foi representada por seis espécies: Serratosagitta serratodentata, Flaccisagitta hexaptera, Flaccisagitta enflata, Flaccisagitta spp., Pterosagitta draco e Ferosagitta hispida, dentre as quais S. serratodentata apresentou a densidade mais elevada (460,46 ± 115,39 ind.m-³). A maioria das espécies foi coletada em números superiores durante o período noturno, e a transecção nordeste reuniu a densidade média mais elevada (56,77 ± 114,71 ind.m-³). As populações das duas espécies mais abundantes, S. serratodentata e F. hexaptera, foram formadas em maior número por indivíduos adultos, que apresentaram maior densidade no período noturno e diurno, respectivamente. A transecção nordeste demonstrou densidades superiores para todos os estágios avaliados. A biomassa média de S. serratodentata foi de 126,61 (± 145 μg.m-³), com os indivíduos adultos contribuindo com 205,47 (± 168,96 μg.m-³) e os juvenis com 47,75 (± 43 μg.m-³); F. hexaptera apresentou uma média de 80,69 (± 336,84 μg.m-³), correspondente a 150,32 (± 464,57 μg.m-³) para os adultos e 4,73 (± 6,34 μg.m-³) para os juvenis. Adultos foram coletados em maioria, com ambas as redes utilizadas. As curvas de crescimento geradas para S. Serratodentata e F. hexaptera indicaram que a primeira espécie converte grande parte de sua energia metabólica na produção de biomassa (b > 3), enquanto que a segunda investe mais no crescimento corpóreo (b < 3). Com exceção de Flaccisagitta spp., os testes estatísticos apontaram que a composição das espécies em Fernando de Noronha é homogênea na faixa de 0-150 m, independentemente do fotoperíodo e da distância do arquipélago (p > 0,05). A biomassa foi significativamente diferente quanto aos adultos de S. serratodentata entre as transecções (U= 6, p= 0,03), o que não foi observado na comparação entre as estações de cada transecção.Em conjunto, estes resultados apontaram a ausência do efeito-ilha sobre Chaetognatha em Fernando de Noronha. A continuação de trabalhos na área de estudo torna-se de suma importância, como forma de avaliar por meio de novas metodologias, a interação das espécies de Chaetognatha com a hidrologia da região.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/13831
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Oceanografia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MELO, D. C. M. Chaetognatha do Arquipélago de Fernando de Noronha (NE, Brasil) 2015.pdf1.21 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons