Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12752
Título: Processo de infecção de Beauveria bassiana sobre a broca da cana-de-açúcar Diatraea saccharalis (Lepidoptera: Crambidae)
Autor(es): Svedese, Virgínia Michelle
Palavras-chave: Controle biológico; Enzimas; Broca da cana-de-açúcar; Temperatura; Luz ultravioleta
Data do documento: 31-Jan-2012
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: A broca da cana-de-açúcar, Diatraea saccharalis, é umas das pragas mais prejudiciais aos canaviais brasileiros, causando anualmente elevadas perdas econômicas. Beauveria bassiana é um fungo entomopatogênico amplamente utilizado no controle biológico de várias pragas agrícolas. Os entomopatógenos possuem vários determinantes de patogenicidade, incluindo a produção de enzimas degradadoras de cutícula e são muito sensíveis a fatores bióticos e abióticos, que influenciam na sobrevivência, na propagação e na infecção do hospedeiro. No presente trabalho, foi avaliada a eficiência de três métodos de inoculação fúngica contra esta broca e a capacidade de B. bassiana em produzir proteases (Pr1 e Pr2) e quitinases em meio mínimo na presença e ausência da cutícula da broca. Posteriormente, analisou-se o efeito da radiação ultravioleta (UV) e da temperatura sobre o desenvolvimento de B. bassiana e sua transmissão horizontal entre indivíduos de D. saccharalis. Os métodos de mergulho e pulverização conidial causaram elevada mortalidade, enquanto que larvas alimentadas com colmos infectados com a suspensão fúngica apresentaram mortalidade variando de 26 a 42%. A produção das enzimas foi maior no meio contendo cutícula, indicando que ela é estimulada por componentes específicos da cutícula do hospedeiro. A atividade da Pr1 foi maior do que a da Pr2 e ambas foram produzidas a partir de 24h. A maior produção de quitinase foi obtida às 96h para todas as linhagens testadas. Foi possível demonstrar relação entre a produção enzimática e a virulência do fungo. As linhagens foram mais patogênicas a 26 e a 32°C do que a 20°C, com mortalidade de 100, 50 e 30,3%, respectivamente. B. bassiana foi eficazmente transmitida entre os indivíduos da broca, causando mortalidade significante e essa capacidade pode representar uma nova estratégia de controle. O tempo de exposição à luz UV e a temperatura interferem de diferentes modos no desenvolvimento deste fungo.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12752
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Ciências Biológicas

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TESE Virginia Svedese.pdf2,34 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons