Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12573
Title: Análise do Polimorfismo da Osteoprotegerina (OPG) em Pacientes Diabéticos Associados à Periodontite
Authors: LUCENA, Keila Cristina Raposo
Keywords: Diabetes;Periodontite;Osteoprotegerina;Polimorfismo
Issue Date: 10-Mar-2011
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: LUCENA, Keila Cristina Raposo. Análise do polimorfismo do gene da osteoprotegerina (OPG) em pacientes diabéticos associados à periodontite. Recife, 2011. 55 f. : Dissertação (mestrado) - UFPE, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-graduação em Odontologia, 2012.
Abstract: OBJETIVO: Este estudo analisou a presença de polimorfismos na região promotora - 163A/G, -245T/G e -950T/C do gene da osteoprotegerina (OPG), bem como a sua distribuição em pacientes diabéticos e com periodontite quando comparados ao grupo controle. MATERIAIS E MÉTODOS: A pesquisa contou com a participação de 67 indivíduos distribuídos em um grupo teste (n=32), constituído por pacientes diabéticos e com periodontite, e outro controle (n=35) que incluíam pacientes não diabéticos e sem periodontite. Foram incluídos indivíduos entre 22 e 56 anos de idade com, no mínimo, 15 dentes presentes, que não faziam uso de medicação, exceto para a diabetes, e que não apresentavam outra doença sistêmica. Para o diagnóstico da periodontite, foram avaliados os parâmetros clínicos: profundidade de sondagem, sangramento à sondagem e nível de inserção clínica, sendo sondados seis sítios em cada dente presente e diagnosticada a periodontite na presença de dois ou mais sítios com profundidade de sondagem igual ou superior à 4mm. O DNA para a investigação dos polimorfismos da OPG, através da técnica da reação em cadeia de polimerase (PCR) convencional, foi obtido a partir do soro sanguíneo dos participantes. RESULTADOS: Não foi observada associação entre polimorfismos da região promotora do gene da OPG em pacientes com periodontite e diabetes mellitus (p>0,005). O alelo mais freqüente no grupo teste foi o A163(81,2%), seguido pelo T245(75,0%) e pelo T950(54,7%). O alelo T950, possível marcador da osteoclastogênese, não foi associado à condição periodontal dos pacientes diabéticos (p>0,005). CONCLUSÂO: Neste estudo não houve associação entre polimorfismos genéticos da OPG em pacientes diabéticos e com periodontite (p>0,005).
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12573
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Odontologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação de Mestrado Odontologia Keila Cristina Raposo Lu.pdf917.34 kBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons