Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12054
Título: Peso ao Nascer, Composição Corporal, Aptidão Fisica e Coordenação Motora: Um Estudo com Crianças de 7 a 10 Anos de Idade
Autor(es): SANTOS, Marcos André Moura dos
Palavras-chave: Crescimento e desenvolvimento;Baixo peso ao nascer;Aptidão física;Plasticidade durante o desenvolvimento
Data do documento: 12-Dez-2012
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: SANTOS, Marcos André Moura dos. Peso ao nascer, composição corporal, aptidão física e coordenação motora: um estudo com crianças de 7 a 10 anos de idade. Recife, 2012. 109 f. Tese (doutorado) - UFPE, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-graduação em Nutrição, 2012.
Resumo: O presente estudo teve como objetivos (a) Analisar os indicadores de crescimento físico, composição corporal, nível de atividade física diário e a aptidão física em crianças pertencentes a distintos grupos de peso ao nascer; (a) Verificar as associações entre o peso ao nascimento e a influência do efeito cumulativo do tamanho do corpo atingido e da composição corporal sobre aptidão física de crianças pertencentes a grupos distintos de peso ao nascer; (c) Analisar as variáveis da aptidão física e coordenação motora em crianças, ao longo da variação cumulativa em gramas de peso ao nascer. A amostra foi composta por 533 crianças de ambos os gêneros dos 7 aos 10 anos de idade, sendo 277 meninos e 256 meninas. Foram avaliados parâmetros referentes aos indicadores do crescimento físico (peso, estatura), composição corporal (dobras de adiposidade). A aptidão física foi avaliada com base nos protocolos das seguintes baterias EUROFIT (1988) e FINESSGRAM (1994). A avaliação do desempenho neuromotor foi analisada com base na bateria de testes Körperkoordinations-test für Kinder (KTK). O nível de atividade física habitual foi efetuado com base no questionário Godin e Shephard. Além das medidas de estatística descritivas e de forma a estudar as interações e inter-relações entre os fatores de interesse, a ANOVA two way, teste t-student, ANCOVA, Correlação de Pearson e Análise de regressão múltipla, foram os procedimentos estatísticos usados na análise dos resultados. Adotou-se nestas análises o nível de significância de 5%. As crianças baixo peso ao nascer apresentaram valores médios menores em relação ao peso corporal, estatura e massa corporal magra e demonstraram um menor desempenho nos testes de força de preensão e velocidade de corrida e um maior consumo máximo de oxigênio (p<0.05). Contudo, quando ajustados por covariáveis: idade cronológica, gênero, nível de atividade física, peso, estatura, IMC, % de gordura, massa gorda e massa corporal magra, estes efeitos desapareceram. No entanto, estas diferenças persistiram em relação à força (P<0.01) e a velocidade de corrida (P<0.01). O peso de nascimento correlacionou-se de forma significativa em magnitude e sinal com a força de preensão (P<0.01), velocidade de corrida (P<0.01) e consumo máximo de oxigênio (P<0.05), mas não houve correlação com outras variáveis da aptidão física e com o desempenho neuromotor. Estas associações ocorreram independentes do tamanho do corpo atingido, da composição corporal e a idade em meses. Isoladamente, o baixo peso ao nascer não parece ser um fator determinante do crescimento físico, da composição corporal e alguns componentes da aptidão física, mas é um preditor de um menor desempenho em força muscular e velocidade de corrida durante a infância.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12054
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Nutrição

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TESEMarcosAndré2012.pdf3,74 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons