Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11524
Título: A recepção do futurismo no Brasil
Autor(es): Ploeg, Susana Rodrigues Cavalcanti van der
Palavras-chave: Futurismo; Modernismo; São Paulo; Recife
Data do documento: 21-Fev-2013
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: PLOEG, Susana Rodrigues Cavalcanti van der. A recepção do futurismo no Brasil. Recife, 2013. 158 f. Dissertação (mestrado) - UFPE, Centro de Artes e Comunicação, Programa de Pós-graduação em Letras, 2013.
Resumo: O presente trabalho procura compreender a recepção do futurismo no Brasil através de uma análise comparativa entre os manifestos produzidos por Marinetti e aqueles publicados por escritores brasileiros na década de 20. Focalizamos a introdução do ideário futurista na cidade de São Paulo e a sua repercussão no ambiente cultural recifense. O início do século XX se caracterizou, tanto na Europa como no Brasil, pela renovação dos valores estéticos. O futurismo fez parte do conjunto de vanguardas que no início do século XX renovaram os valores artísticos e alteraram os rumos das artes e da literatura. A vanguarda em questão se configurou como um processo de contestação do status quo estético e da herança cultural. O tom contestatório, que declarava a falência dos moldes acadêmicos, encontrou nos manifestos seu formato ideal. A defesa incondicional do mundo das máquinas e da velocidade dominaram as páginas dos manifestos futuristas e, em certa medida, tornaram-se uma das suas principais bandeiras. O espírito contestador do Futurismo auxiliou os anseios libertários do grupo modernista de 1922 no Brasil, representando um dos alicerces da base ideológico-literária que se convencionou chamar de Modernismo. No Brasil, na década de 20, o futurismo tornou-se constante nas discussões estéticas dos meios de comunicação. A introdução do Futurismo na renovação das artes brasileiras não apenas fomentou um debate pela mudança artística, como também impulsionou uma reflexão sobre a dependência cultural brasileira em relação à Europa. Mesmo que a ideologia nacionalista tenha rechaçado a “importação” da estética futurista, a sua articulação com a vanguarda foi frutífera. O nosso Modernismo tomou uma feição própria e diversa do Futurismo. Os ecos do Futurismo que penetraram no Brasil interagiram com um país de tradição colonialista, que aos poucos se modernizava através de uma incipiente industrialização, acompanhada por um processo de urbanização e, ao mesmo tempo, um profundo hibridismo cultural.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11524
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Teoria da Literatura

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertaçao Susana Ploeg.pdf1,05 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons