Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11277
Título: Do gênesis à gênese da hermenêutica filosófica: a interpretação como locus de criação da realidade na decisão judicial.
Autor(es): Silva, Martorelli Dantas da
Palavras-chave: Epistemologia; Interpretação; Mito; Kerügma; Retórica; Hermenêutica e Ceticismo
Data do documento: 18-Fev-2014
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: SILVA, Martorelli Dantas da. Do Gênesis à gênese da hermenêutica filosófica: a interpretação como locus de criação da realidade na decisão judicial. 2014. 241 f. Tese (Doutorado em Direito) – Programa de Pós-Graduação em Direito, Centro de Ciências Jurídicas/FDR, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.
Resumo: A presente tese tem por objeto a condição epistêmica dos seres humanos, adotando em relação a esta uma postura cética, no sentido de que os indivíduos são incapazes de alcançar uma compreensão objetiva e universalmente válidas dos elementos que são trazidos à sua apreciação de um modo geral e daqueles que constituem o processo judicial de um modo particular. Para isso, parte de uma interpretação retórico-demitologizante dos onze primeiros capítulos do livro de Gênesis, pretendendo retirar das narrativas míticas ali presentes kerügmas que introduzam e ilustrem esta condição. Segue-se um estudo da história da hermenêutica teológica, começando no século II a.C. até o século XIX d. C. Do mito da Queda retiramos o kerügma da impossibilidade de termos o conhecimento necessário para que pudéssemos fazer acertados juízos de valor moral; do mito do fratricídio retiramos o kerügma da necessidade de romper conscientemente com a intenção autoral no processo de produzirmos nossas interpretações; por fim, do mito de Babel retiraremos o kerügma da impossibilidade radical de que duas pessoas se compreendam de forma plena, passando pelos estudos de Heidegger e Gadamer para desembocar na compreensão de como se formam juízos cogentes por meio da violência simbólica de que nos fala Bourdieu.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11277
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Direito

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TESE Martorelli Dantas.pdf2,24 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons