Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11157
Título: O Parque Güell e a crítica à autonomia da arte: um estudo sobre as relações entre a obra de Gaudí e a crítica Fin-de-Siècle à Autonomia da Arte e os Gêneros Artísticos
Autor(es): BARRETTO, Diogo Cardoso
Palavras-chave: Arte; Arquitetura; Autonomia; Gaudí; Parque Güell
Data do documento: 9-Abr-2012
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: A idéia de arquitetura como arte e gênero artístico autônomo é relativamente nova. Na prática construtiva grega, o templo era uma produção totalizante, em que espaço, plástica e cor contribuíam igualmente para a expressividade da obra. No tratado vitruviano, a arquitetura – a construção – é tratada de forma indistinta à pintura e à escultura. Durante a idade média, não existiam grêmios exclusivos de arquitetos – construtores –, mas sim de canteiros, marceneiros, pintores, todos agrupados sob a mesma irmandade. Foi na revolução científica que tomou forma a partir da baixa idade média que a escultura e construção se separaram como fenômeno. Mais tarde, com o nascimento da crítica de arte moderna, especialmente com a idéia de autonomia das diferentes expressões artísticas de Lessing, no século XVIII, e a estética de gêneros autônomos de Hegel, no século de XIX, formaliza-se a idéia da produção artística de gêneros autônomos. Contudo, movimentos como o Arts-and-Crafts, o Pré-Rafaelismo e as manifestações artístico-decorativas como o Art-Nouveau Franco-Belga, a Sessezion Austríaca, o Jungendstill Alemão e o Modernismo Catalão, além de conceitos como a Obra de Arte Total Wagneriana, representam reações a essa esquematização da arte. O objetivo dessa pesquisa é situar a produção de Antoni Gaudí - concretamente o Parque Güell - dentro desse contexto, e verificar a hipótese de que essa produção, mais do que situada dentro de contexto de integração da arte com a arquitetura – Corbusiano, do século XX – se relaciona de forma anacrônica com uma produção artística total – wagneriana, do século XIX. Para isso se lançará mão de um método de análise histórico comparado com a Crítica fin-de-siècle.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11157
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Desenvolvimento Urbano

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação_O Parque Güell e a Crítica a Autonomia da Arte_Diogo_Cardoso_Barretto.pdf3,2 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons