Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1102
Título: Uma festa ideal? Configurações do São João de Arcoverde a partir das relações entre poder público, moradores e visitantes
Autor(es): MARQUES, Priscilla Carla Leite
Palavras-chave: Consumo; Tradição; Festa junina; Turismo
Data do documento: 31-Jan-2009
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Carla Leite Marques, Priscilla; Selma Ferreira Albernaz, Lady. Uma festa ideal? Configurações do São João de Arcoverde a partir das relações entre poder público, moradores e visitantes. 2009. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.
Resumo: A presente pesquisa teve a intenção de compreender a configuração atual dos festejos juninos de Arcoverde, cidade localizada no sertão pernambucano, analisando a participação de seus agentes: poder público, comunidade local e visitantes, em um contexto de aparente crescimento do turismo. As festas podem ser estudadas a partir de diversas abordagens teóricas, aqui se utilizou o debate sobre a relação entre festa e cotidiano, bem como a interface das festas com as operações turísticas que reconfiguram os festejos, levando em conta as demandas de consumidores. Foi realizado trabalho de campo (Junho de 2007 e 2008) em Arcoverde, baseado na observação participante e acompanhado de entrevistas semi-estruturadas com moradores, visitantes e representante do poder público municipal. A etnografia sugere que a festa tem como principal agente para sua realização o poder municipal, mas seus representantes levam em conta as demandas dos moradores da cidade e, simultaneamente, as dos visitantes. Sua configuração resulta num arranjo que segue a estrutura de grandes festas populares públicas (divisão em pólos, temas, decoração, etc.), mas, ao mesmo tempo, tenta contemplar elementos que são definidos por visitantes e moradores como tradicionais, como, por exemplo, o ritmo do coco. Para operacionalizar essas duas orientações distintas, que poderia ser conflitante, a distribuição das atrações em pólos permite harmonizar os grupos (moradores e visitantes), separando-os e ligando-os na medida em que transitam entre estes pólos destinados a atrações especificas. Os sentidos da festa emergem da comparação com as festas de Caruaru e Campina Grande, paradigmáticas para o São João de sucesso no Nordeste, sendo os contrapontos mais importantes: os elementos da cultura local, presentes em Arcoverde e ausentes nas outras cidades, e a quantidade de visitantes, que não é exagerada. De certa forma, o fenômeno do turismo põe em tela a importância da tradição para configurar a festa de Arcoverde, mas, por sua vez, a estruturação da mesma em pólos segue as demandas de consumo
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1102
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Antropologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo818_1.pdf2,33 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.