Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10515
Título: Quimioestratigrafia e Bioestratigrafia da Formação Frecheirinha, Grupo Ubajara – Nordeste do Brasil
Autor(es): Mendizábal, Leticia Lourdes Chiglino
Palavras-chave: Ediacaran; C-isótopo; Neoproterozoico
Data do documento: 29-Out-2013
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: CHIGLINO MENDIZABAL, Leticia Lourdes. Quimioestratigrafia e bioestratigrafia da Formação Frencheirinha, Grupo Ubajara - Nordeste do Brasil. Recife, 2013. 101 f. Tese (doutorado) - UFPE, Centro de Tecnologia e Geociências, Programa de Pós-graduação em Geociências, 2013..
Resumo: O Grupo Ubajara localiza-se no Domínio Médio Coreaú, nordeste da Província Borborema, constitui uma sequência de plataforma marinha rasa, conformada a base ao topo por arenitos da Formação Trapiá, pelitos da Formação Caiçaras, calcários e margas subordinadas da Formação Frecheirinha, e no topo arenitos e guarvacas da Formação Coreaú. Os carbonatos da Formação Frecheirinha apresenta valores negativos de (δ 13C -3.5 ‰ e +3.7 ‰) em direção ao topo, e razão de 87Sr/86Sr entre 0.7075 e 0.7080. Pela primeira vez, são descritos para uma sequência do nordeste do Brasil, micorfossies de parede orgânica que se caracterizam pela baixa diversidade, compreendendo espécimens de Leiosphaeridia e Bavlinella subordinada. Esses dados, combinados com restrições de idade mínima de 560 ± 19 Ma determinada para diques máficos que cortam a unidade, sugerem uma idade de deposição Ediacarana entre 635 e ca. 580 Ma, para a Formação Frecherinha. A diferença de outras unidades carbonáticas Ediacaranas no Brasil, a Formação Frecherinha não tem depósitos glaciais associados, ou características sedimentares típicas das capas carbonaticas pósglaciais. Os valores negativos de δ 13C refletem a bioprodutividade e as alterações do nível do mar no momento de deposição. Os carbonatos da Formação Frecheirinha são importantes para a compreensão da biota e as concomitantes mudanças na composição isotópica da água do mar, como também na reconstrução paleogeográfica entre os episódios de quebra do supercontiente Rodinia e a fusão do Gondwana.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10515
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Geociências

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TESE Letícia Chinglino Mendizábal.pdf6,01 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons