Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10391
Título: Efeito Gastroprotetor e Segurança de Uso do Óleo Essencial das Folhas de Hyptis Martiusii Benth. (lamiaceae) e do Monoterpeno 1,8-cineol
Autor(es): CALDAS, Germana Freire Rocha
Palavras-chave: Lamiaceae; Óleos essenciais; Úlcera péptica; Toxicidade
Data do documento: 31-Jan-2013
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: CALDAS, Germana Freire Rocha. Efeito gastroprotetor e segurança de uso do óleo essencial das folhas de Hyptis martiusii Benth. (Lamiaceae) e do monoterpeno 1,8-cineol. Recife, 2013. 174 f. Tese (doutorado) - UFPE, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas, 2013
Resumo: Hyptis martiusii Benth. (Lamiaceae) cresce em abundância no nordeste brasileiro, é utilizada pela população no tratamento de distúrbios gastrointestinais. Este estudo caracterizou os constituintes químicos do óleo essencial das folhas de Hyptis martiusii (OEHM), investigou o efeito gastroprotetor do OEHM e do monoterpeno 1,8-cineol (CIN), um dos compostos majoritários do óleo, e os mecanismos de ação envolvidos. Adicionalmente, descreveu o perfil de segurança pré-clínico de ambos. OEHM (100, 200 e 400 mg/kg) e CIN (50, 100 e 200 mg/kg) inibiram as lesões gástricas por etanol, etanol/HCl ou indometacina, inibiram o esvaziamento gástrico, mas não influenciaram o trânsito intestinal. OEHM (400 mg/kg) apresentou atividade antissecretória basal e interferiu nos parâmetros da secreção gástrica estimulada por histamina e pentagastrina. CIN (100 mg/kg) reduziu o volume da secreção basal, mas não interferiu na secreção ácida estimulada. O efeito gastroprotetor do OEHM e CIN envolve a participação de compostos sulfidrílicos. OEHM e CIN não apresentam atividade antioxidante in vitro, mas promoveram aumento nos níveis de muco, reduziram os níveis de peroxidação lipídica e preveniram a depleção dos grupamentos GSH na mucosa gástrica. OEHM e CIN aceleraram a cicatrização da úlcera crônica, reduzindo a área lesada em 70 e 43%, e também foram capazes de aumentar a expressão de PCNA. Na toxicidade aguda, OEHM não induziu nenhum sinal de toxicidade ou morte em camundongos. O tratamento oral com OEHM (100 e 500 mg/kg) por 30 dias não induziu nenhum sinal de toxicidade ou morte. Houve alterações pontuais nos valores de VCM e albumina. A análise microscópica dos orgãos apontou a presença de gordura no fígado, discreto infiltrado linfocitário no rim e pulmão e discreto aumento da atividade fagocitária no baço. Para CIN, na toxicidade aguda verificou-se que 1500<DL50<1750 mg/kg. Na toxicidade de doses repetidas, CIN (100, 500 e 1000 mg/kg) não induziu nenhum sinal de toxicidade ou morte, mas promoveu alterações no ganho de massa corporal e no consumo de água e ração em ratos. Houve redução dos valores de CHCM, VPM e fosfatase alcalina, bem como aumento de plaquetas, VCM e ureia. Nos orgãos, foi observado aumento da massa absoluta e relativa do fígado, discreto infiltrado linfocitário e eosinofílico no pulmão, fígado e útero, e aumento do espaço glomerular nos rins. Na toxicidade reprodutiva, CIN (250, 500 e 1000 mg/kg) não produziu mortes em ratas prenhes tratadas durante as fases de pré-implantação ou organogênese, mas promoveu uma redução da massa corporal. Observou-se a presença de fetos mortos em ratas tratadas com as maiores doses, indicando uma possível toxicidade materna e fetal. Os resultados indicam que OEHM possui efeito gastroprotetor que possivelmente é mediado por mecanismos citoprotetores e antioxidantes e pela sua ação antissecretória. Adicionalmente, demonstrou o efeito gastroprotetor do CIN, comprovando assim sua correlação com o OEHM. A administração de doses repetidas do OEHM e CIN induziu alterações pontuais de toxicidade que apresentam baixa relevância clínica, visto que ocorreram de modo não-generalizado. É importante investigar em maior detalhe o efeito do CIN sobre a gestação e no desenvolvimento dos fetos.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10391
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Ciências Farmacêuticas

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TESE Germana Caldas.pdf7,89 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons