Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9962
Title: Medidas e modelagem da iluminância para diversas condições de céu no Nordeste do Brasil
Authors: da Silva Leal, Sérgio
Keywords: Modelagem; Eficiência luminosa; Iluminância
Issue Date: 2006
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: da Silva Leal, Sérgio; Tiba, Chigueru. Medidas e modelagem da iluminância para diversas condições de céu no Nordeste do Brasil. 2006. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Energéticas e Nucleares, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.
Abstract: No Brasil, particularmente em sua região Nordeste, as medidas de iluminância não fazem parte da rotina de medidas nas estações meteorológicas, portanto, a disponibilidade de informações sobre a iluminância são mais raras do que as medidas efetuadas sobre irradiação solar. Neste contexto, duas estações de medição de iluminância e irradiação solar foram instaladas em Pernambuco: uma em Recife (clima tropical marítimo), em abril de 2003, e outra em Pesqueira (semiárido), em setembro de 2004 com objetivo de realizar medidas simultâneas da irradiação solar diária e iluminância, de tal forma a permitir a modelagem e a validação estatística da relação entre estes dois parâmetros e, com isto, possibilitar a estimativa da iluminância onde existam somente informações sobre irradiação solar. A avaliação dos registros das medidas de iluminância e irradiação solar confirmou o ótimo potencial da utilização da iluminação natural em Pernambuco. Os valores de iluminância são suficientemente altos, de maneira que poderiam suprir sozinhos a necessidade de iluminação diurna de um escritório comercial durante 80% das horas anuais de seu funcionamento (8 17 horas). A comparação entre os modelos de eficiência luminosa mostraram que os modelos de Perez local e de Alados são os melhores para as localidades de Recife e Pesqueira, produzindo respectivamente, desvios médios quadráticos de 10% e 3% e com viés da ordem de 3% e 1%. Adicionalmente, cabe considerar que as estimativas estão dentro dos erros experimentais, desde que os sensores de iluminância e de irradiação solar que foram utilizados possuem um erro de calibração máximo de 5% e uma deriva anual máxima de 2% e que, portanto, as medidas experimentais das eficiências luminosas estariam com um erro associado da ordem de 10 a 12%, após um ano de medidas
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9962
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Tecnologias Energéticas e Nucleares

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo9115_1.pdf1.45 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.