Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9948
Title: Radiossensibilidade gama de Cladonia substellata Vainio (líquen) e o conseqüente efeito sobre rochas calcárias
Authors: Paula De Barros Silva, Helena
Keywords: Pedogênese;Raios gam;ácido úsnico;rochas calcárias;Cladonia substellata
Issue Date: 2006
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Paula De Barros Silva, Helena; Colaço, Waldeciro. Radiossensibilidade gama de Cladonia substellata Vainio (líquen) e o conseqüente efeito sobre rochas calcárias. 2006. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Energéticas e Nucleares, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.
Abstract: Solo é a superfície inconsolidada que recobre as rochas e mantém a vida animal e vegetal na Terra. É formado a partir da relação do clima e atividades bióticas, modificadas pela topografia, que atua sobre os materiais originários ao longo de certo período de tempo. Em relação às atividades bióticas, destaca-se a exercida pelos líquens, que possibilitam a sucessão na colonização do substrato rochoso, uma vez que podem viver diretamente sobre as rochas, intemperizando-as. Os líquens quando submetidos a diferentes doses e tipos de radiação, são estimulados a produzir suas substâncias em quantidades diferenciadas daquelas que produziriam sem a intervenção da radiação. O objetivo desta pesquisa foi determinar possíveis mudanças na produção do ácido úsnico (USN) pelo líquen Cladonia substellata, submetido a diferentes doses de radiação gama, e determinar a capacidade quelante desse líquen quando acondicionados sobre rochas calcárias. Amostras com 2,5g de C. substellata foram submetidas a fonte de Co-60-irradiador, taxa de dose de 9,06 Gy.h-1, recebendo doses de 5; 7; 10; 15; 20; 30; 40; 50; 60 e 80 Gy, e acondicionadas em placas de Petri, contendo calcário triturado. Durante todo o tempo de incubação, as amostras liquênicas foram borrifadas com água deionizada três vezes por semana. Amostras do líquen foram coletadas a cada 1, 2; 3; 7; 15; 30; 60 e 90 dias e, analisadas por Cromatografias em Camada Delgada (CCD) e Líquida de Alta Eficiência (CLAE). As amostras rochosas controle (não submetidas aos líquens) e, as que estiveram em contato com a C. substellata irradiada a 10, 30 e 80 Gy foram analisadas por difratometria por raios X. Os resultados apontaram para um aumento na produção do ácido úsnico diretamente proporcional às doses mais altas, até a de 10 Gy. A partir desta, houve uma tendência de redução de produção, até uma biossíntese bastante reduzida aos 80Gy. Isso foi corroborado nos experimentos de difratometria por raios X, que demonstraram ser mais facilmente queladas as amostras de calcário que estavam sob C. substellata irradiada com 10 Gy. A rocha submetida ao líquen irradiado a 80Gy, que apresentou baixos teores de USN, permaneceu de forma similar ao controle. Foi possível concluir que a C. substellata incrementa sua biossíntese de ácido úsnico à medida que aumenta a dose de radiação gama, mas há um limite para tal. A ação quelante do ácido úsnico sobre o calcário foi proporcional ao teor produzido desta substância, o que pode ser extrapolado para condições naturais, onde a radiação excessiva pode influenciar na pedogênese e sucessão ecológica
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9948
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Tecnologias Energéticas e Nucleares

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo9095_1.pdf2.23 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.