Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9909
Título: Qualidade de vida e processo decisório entre agricultures e familiares: estudo de caso do Assentamento Mansueto de Lavor na região do submédio do São Francisco
Autor(es): José Torres dos Santos, Julio
Palavras-chave: Qualidade de vida; Agricultura familiar; Reforma agrária; Assentamento rural
Data do documento: 2004
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: José Torres dos Santos, Julio; Maria Monteiro da Fonte, Eliane. Qualidade de vida e processo decisório entre agricultures e familiares: estudo de caso do Assentamento Mansueto de Lavor na região do submédio do São Francisco. 2004. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.
Resumo: O objetivo desta pesquisa é analisar a qualidade de vida dos agricultores familiares do Assentamento Senador Mansueto de Lavor, tomando-se como referência para este estudo os indicadores educação, renda, saúde, habitação e uso de tecnologia, na perspectiva de desenvolvimento sustentável. A escolha deste caso deveu-se ao fato de ser aquele o primeiro assentamento da reforma agrária na região do submédio São Francisco a se instalar em área irrigada. Esta área foi distribuída entre cem famílias do movimento de ocupação organizado pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Petrolina - STR e Federação dos Trabalhadores Agrícolas de Pernambuco - FETAP, com o apoio da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura - CONTAG. Da área total de 714,8603 ha, apenas 50 ha - dentre 300 irrigáveis - encontram-se ocupados com culturas perenes e temporárias, o que significa 16,66% de toda área ocupada. A hipótese com a qual se trabalhou, mais precisamente a de que a qualidade de vida dos agricultores do referido assentamento melhorou, se comparada com as suas condições anteriores de trabalhadores sem terra e sem ocupação remunerada foi confirmada, muito embora a sua situação econômica e social, confrontada com a de outros agricultores que trabalham em áreas irrigadas em condições semelhantes, no tocante ao tamanho da gleba, tipo de solo e sistema de irrigação, seja inferior quanto à produção e produtividade, renda e acesso ao sistema de crédito e uso das inovações tecnológicas As informações coletadas, através de entrevistas semi-estruturadas com os sujeitos envolvidos, conduzem à conclusão de que o apoucado sucesso dos agricultores está diretamente relacionado à baixa escolaridade, que os impede de compreender o que é ser agricultor hoje. No mercado altamente competitivo, não basta tão-somente produzir bem, mas, sobretudo, atender às exigências de compradores potenciais, gerando assim o diferencial que os pode colocar em posição favorável na sociedade globalizada. A esse componente somam-se outros, como a falta de acesso ao crédito bancário na época oportuna e o baixo uso de tecnologias disponíveis apropriadas à pequena produção
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9909
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Sociologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo9392_1.pdf2,11 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.