Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9900
Title: Vivência subjetiva de jovens desempregados/as: sofrimento invisível e medo do futuro frente à instabilidade econômica e à ausência de cobertura social
Authors: ROCHA, Euda Kaliani Gomes Teixeira
Keywords: Jovens desempregados;Vivência subjetiva;Mercado de trabalho;Temor do futuro;Vivência depressiva
Issue Date: 2005
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Kaliani Gomes Teixeira Rocha, Euda; Bernardete Ferreira de Macêdo, Maria. Vivência subjetiva de jovens desempregados/as: sofrimento invisível e medo do futuro frente à instabilidade econômica e à ausência de cobertura social. 2005. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005.
Abstract: O presente trabalho é um estudo de caso e tem como tema central a vivência subjetiva de jovens desempregados/as da cidade de Camaragibe/PE. Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas junto a jovens de ambos os sexos, na faixa etária de 18 a 24 anos e que já haviam finalizado os estudos de ensino médio. O estudo se caracteriza enquanto interdisciplinar e se utiliza das contribuições do Serviço Social, da Psicologia, da Sociologia, da Economia e da Psicodinâmica do Trabalho. Visualizamos que a conjuntura sócio-político-econômica interfere diretamente na vida dos/as jovens, impedindo a sua entrada no mercado de trabalho, onde se atrelam aspectos como as exigências de experiência e a alta concorrência no mercado. A violência e a criminalidade foram vistas como resultados diretos do desemprego. Em relação às diferenciações entre os sexos, o âmbito doméstico foi visto como o lugar da mulher, inclusive em relação ao trabalho; e o homem como tendo mais vantagens no mundo do trabalho, seja formal ou informal. As jovens se sentem mais presas que os jovens, e estes se sentem mais pressionados pela família que aquelas. A pressão se refere às cobranças de retorno financeiro do jovem para a família de origem e também de sua própria independência. Na vivência subjetiva identificamos um sofrimento atrelado a aspectos sociais e econômicos, marcado pelo temor do futuro em relação à falta de garantia financeira e às referências de si mesmo. Sentem falta de independência, liberdade e mais responsabilidades. O embate principal acontece na oposição da vontade do outro (impedimentos de inserção) e a vontade do sujeito (desejo de trabalhar). Sentimentos como desqualificação, indignidade e inutilidade aparecem nas falas e aproximam os/as jovens da vivência depressiva . Além desses, convive-se com outros como impotência, vulnerabilidade, fragilidade, desproteção, desconfiança, medo e frustração. Sentimentos diretamente ligados ao equilíbrio mental e à realização pessoal, já que dependem de um terreno fértil para as aspirações, idéias e desejos. Num aspecto mais geral, percebe-se a ausência de políticas públicas e sociais para a cobertura dos/as jovens desempregado/as, isto se dá também pela cultura de individualização da culpa pelo desemprego, que é visto como um problema de empregabilidade do sujeito, e não como uma questão social , ou seja, estrutural ao modo de produção capitalista
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9900
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Serviço Social

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo9073_1.pdf826.2 kBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.