Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9803
Título: Efeito terapêutico da música em crianças em pós-operatório de cirurgia cardíaca
Autor(es): de Paula Hatem, Thamine
Palavras-chave: Crianças em pós-operatório; Efeito terapêutico; Música
Data do documento: 2005
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: de Paula Hatem, Thamine; Israel Cabral de Lira, Pedro. Efeito terapêutico da música em crianças em pós-operatório de cirurgia cardíaca. 2005. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005.
Resumo: Objetivo: O possível controle da dor e da ansiedade através da música , bem como uma forma mais humanizada de tratar, levando a um maior bem estar do paciente de uma maneira geral, estimularam a realização desta dissertação de Mestrado em forma de um artigo de revisão da literatura para um maior conhecimento da temática abordada; bem como a avaliação de forma objetiva e subjetiva do efeito da música em crianças no pós-operatório imediato de cirurgia cardíaca em uma Unidade de Terapia Intensiva exclusiva de cardiopediatria em conjunto com ações terapêuticas já usadas na prática médica convencional descritas em um artigo original. Métodos: Foi realizada uma revisão da literatura, no período de 1960 a 2004, sobre a música na medicina nos seus mais diversos aspectos. Foram encontradas cerca de 1250 referências sobre o tema, sendo selecionadas 69 para esta revisão. Concomitantemente, foi realizado um ensaio clínico randomizado controlado por placebo, onde foram avaliadas 84 crianças, com faixa etária de 1 dia a 16 anos, nas primeiras 24 horas de pós-operatório , submetidas à sessão de 30 minutos de musicoterapia, e observadas no início e fim das mesmas quanto as seguintes variáveis: Freqüência Cardíaca (FC), Pressão Arterial (PA), Pressão Arterial Média (PAM), Freqüência Respiratória (FR), Temperatura (T), Saturação de oxigênio (Sat02), além de uma escala facial de dor. Resultados: A revisão da literatura mostrou a história e a definição da Musicoterapia bem como sua funcionalidade, população e métodos de aplicação. São também abordados tópicos referentes a sua ação na medicina e em áreas específicas. No ensaio clínico, dos 84 pacientes iniciais , apenas 5 (5,9%) não concluíram o estudo. Não houve diferença entre as variáveis sexo e idade, o grupo de cardiopatias mais comum foi o de congênitas acianogênicas com shunt E-D. Quanto à avaliação subjetiva através da escala facial de dor, houve diferença estatisticamente significativa entre os dois grupos (p<0,001) e também, com relação as variáveis FC (p=0,04) e FR (p=0,02). Já as demais variáveis, não mostraram diferença entre os dois grupos quando da intervenção. Conclusões: O efeito positivo da música na medicina em diversos artigos pesquisados, aparenta a música como importante aliada no combate dos agravos da saúde e parceira inseparável de uma medicina mais humanizada. Observou-se ainda, a ação da música de forma benéfica, em crianças em pós-operatório de cirurgia cardíaca, em alguns sinais vitais (FC e FR), bem como, de forma subjetiva, uma redução na dor. Contudo, existem lacunas a serem preenchidas e acreditamos na necessidade de um estudo mais aprofundado e específico sobre os elementos da musica e de uma maior adequação as necessidades do indivíduo
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9803
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Saúde da Criança e do Adolescente

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo8726_1.pdf1,18 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.