Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9778
Título: Avaliação da qualidade das informações oficiais sobre óbitos neonatais precoces em Maceió - Alagoas
Autor(es): Délia Carvalho de Oliveira Pedrosa, Linda
Palavras-chave: Causa Básica de óbito; Saúde da Criança; Óbitos Neonatais
Data do documento: 2005
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Délia Carvalho de Oliveira Pedrosa, Linda; Wanick Sarinho, Silvia. Avaliação da qualidade das informações oficiais sobre óbitos neonatais precoces em Maceió - Alagoas. 2005. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005.
Resumo: Principal componente da Mortalidade Infantil (MI) em vários países do mundo, inclusive no Brasil, a mortalidade neonatal precoce tem como causas mais freqüentes asfixia, baixo peso, afecções respiratórias, infecções e prematuridade, diferente dos países desenvolvidos, onde predominam prematuridade extrema e malformações congênitas. A Declaração de Óbito (DO) é um valioso instrumento epidemiológico. A validade das estatísticas de mortalidade depende da notificação e preenchimento completo e correto das informações dos óbitos, no Brasil disponibilizados pelo Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) que tem cobertura variável e eficiência comprometida pela precariedade da DO, erros de definição e codificação, subnotificação de variáveis, excesso de causas mal definidas e sub-registro. Eventos sanitários de alerta, para os quais concorrem falhas de atenção, a classificação dos óbitos em eventos evitáveis contribui na organização de ações preventivas. Dentre estas sistematizações estão as Classificações da Fundação SEADE e de Wigglesworth. Objetivou-se verificar a qualidade das informações oficiais de óbitos neonatais precoces de residentes em Maceió, Alagoas e suas implicações no estudo da mortalidade prevenível em 2001 e 2002. Avaliou-se o preenchimento da DO oficial e do SIM, tendo como padrão-ouro o formulário preenchido a partir dos prontuários das mães e neonatos. Para validação da DO (causas de óbito) utilizou-se Classificação Internacional de Doenças Décima Revisão (CID-10) em capítulos e códigos (três e quatro dígitos), e na análise de percentual de óbitos redutíveis, as Classificações da Fundação SEADE e Wigglesworth. Avaliou-se concordância simples, Índice Kappa, sensibilidade e seus intervalos de confiança (IC de 95%), utilizando-se o programa EPIINFO 6.04. Foram estudadas as variáveis: tipo de óbito, endereço, idade materna, sexo, peso, tipo de parto, idade, idade gestacional e assistência médica. Houve 621 óbitos neonatais no SIM, 451 hospitalares, excluídos 50 casos. Das variáveis em branco na DO resgatou-se de 85,7% a 100% nos prontuários. A concordância foi boa entre DO e prontuário para tipo de parto, peso e idade. Entre prontuários e SIM, menor concordância ocorreu para peso e idade materna. O SIM apresentou sensibilidade de 69,2% para variável peso e 36,3% para idade materna. A concordância entre observadoras foi 91,5%. Pelos capítulos da CID-10, as causas maternas representaram principal causa básica em 46,1% nos prontuários e transtornos respiratórios 59,5% no SIM e 58,1% nas DO oficiais. A concordância em três dígitos foi sofrível entre prontuários e DO, e fraca entre prontuários e SIM. Na Classificação da Fundação SEADE, houve percentual maior de causas redutíveis por controle da gravidez/parto e, quando estratificados por peso, 23,2% dos óbitos ocorreram em ≥ 2500 g, com predomínio de óbitos redutíveis, considerados eventos-sentinela. Na Classificação de Wigglesworth, houve maior percentual óbitos por imaturidade (47,5%), por inadequada assistência à gestação/parto. Concluiu-se pela precária qualidade da DO, baixa validade para importantes variáveis do sistema, refletindo provavelmente não valorização da informação efetiva dos óbitos por médicos e funcionários do sistema. O SIM é inadequado, apesar da boa cobertura dos óbitos neonatais da cidade. O uso da Classificação da Fundação SEADE possibilita a detecção de eventos-sentinela, quando os óbitos são estratificados por faixa ponderal
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9778
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Saúde da Criança e do Adolescente

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo8720_1.pdf2,05 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.