Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9594
Title: Que vastíssimo campo: a dilatação da tarefa normalizadora, Pernambuco, 1829-1845
Authors: Silva de Jesus, Alexandro
Keywords: Medicina;Biopoder;Processos de Normalização;Perícia Médica;Ação Governamental em Saúde
Issue Date: 31-Jan-2010
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Silva de Jesus, Alexandro; Mutzenberg, Remo. Que vastíssimo campo: a dilatação da tarefa normalizadora, Pernambuco, 1829-1845. 2010. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.
Abstract: Partindo da desconfiança sobre a consolidação de uma ofensiva médica efetiva na Província de Pernambuco, na primeira metade do século dezenove, esta tese se detém sobre as técnicas, tecnologias, encontros e produção de enunciados que, da experiência médica, denunciam e põem à prova sua vontade de gestão. Sustentada por uma documentação que cobre os anos de 1829-1845, e produzidos pelo Ministério do Império, pela Presidência da Província de Pernambuco e pelos periódicos leigos e especializados em medicina, sua descrição procura evidenciar os efeitos do encontro de forças que médicos, dirigentes políticos e imprensa deram lugar. Esses registros guardam informações sobre as escolas de medicina, salubridade pública, atividades científicas e tecnológicas, e sobre suas relações com a gestão política. Isso permitiu analisar e pôr em relação as apropriações sociais sofridas pelos médicos, a construção pelos mesmos de um ethos pericial e a ação governamental em saúde. Esses três aspectos demonstram uma sujeição do ato médico à clínica moderna e dão visibilidade aos traços de uma biopolítica presentes na construção do Império brasileiro. Teoricamente, assumo os pressupostos de Michel Foucault sobre a clínica moderna, caracterizada pela justaposição do órgão à doença e pela subordinação da linguagem ao olhar, como também me apóio em suas considerações acerca da gestão política da vida a partir da idade moderna. Justo por evidenciar o tipo de costura que se operou entre estes elementos pelo ato médico, os episódios aqui narrados, informam sobre a singularidade da experiência pernambucana com o projeto e a prática de normalização e com a gestão política da vida
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9594
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Sociologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo6592_1.pdf1.57 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.