Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9511
Título: Avaliação da implantação do projeto nascer em maternidades de quatro municípios do Interior do estado de Pernambuco: estudos de casos
Autor(es): MACÊDO, Vilma Costa de
Palavras-chave: Estudos de casos; Avaliação em Saúde; Projeto Nascer
Data do documento: 2007
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Costa de Macêdo, Vilma; Falangola Benjamin Bezerra, Adriana. Avaliação da implantação do projeto nascer em maternidades de quatro municípios do Interior do estado de Pernambuco: estudos de casos. 2007. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.
Resumo: complexidade do processo de vigilância da transmissão vertical do HIV e da sífilis trazem grandes desafios para os serviços de saúde. No Brasil, implantou-se o Projeto Nascer que tem por finalidade a transmissão mãe-bebê do HIV e da sífilis. O objetivo deste estudo é avaliar a implantação do Projeto Nascer nas maternidades de quatro municípios do interior de Pernambuco. Trata-se, por conseguinte de um estudo de casos múltiplos, abrangendo dois tipos de abordagem: a retrospectiva e a transversal. A primeira, incluiu a avaliação dos prontuários dos casos diagnosticados de HIV e de sífilis em 2004, e das mulheres atendidas, independente das doenças supra citadas. A segunda compreendeu: entrevista com os gestores, gerentes da farmácia e do laboratório, bem como a observação dos procedimentos na triagem, pré-parto e entrevista com uma amostra de parturientes. Elaborou-se um modelo lógico para avaliação, considerando-se os componentes: prevenção, vigilância epidemiológica, assistência farmacêutica, laboratorial e clínica, cuja unidade de análise compreendeu os 5 componentes e a dimensão unitária do Projeto Nascer. Os indicadores, foram selecionados segundo a disponibilidade da informação e a importância da ação. Adotaram-se critérios e pontos para definição do grau de implantação, cujos resultados, evidenciaram maior aderência às normas preconizadas na Maternidade A, com 62,5%, classificada como parcialmente implantada, e a menor na Maternidade C, com 30,68%, sendo enquadrada como inaceitável. Quanto aos casos de HIV em gestantes, as Maternidades A e B notificaram 4 e 3 casos, respectivamente, enquanto, nas C e D verificou-se ausência de casos. A taxa de incidência de sífilis, em gestantes foi de 14,5%S,14,0%S e 12,5%S de nascidos vivos nas Maternidades D, A e B, respectivamente, exceto na C que não foi diagnosticados casos. Observou-se uma coerência entre o grau de implantação das ações e os resultados encontrados, visto que nas unidades com maior adesão às normas, houve maior casos de HIV e sífilis congênita, enquanto, nas de menor adesão, conseqüentemente menor número de casos. O confronto da realidade empírica com o modelo lógico evidenciou as complexas relações estabelecidas na determinação do grau de implantação do Projeto Nascer e seus resultados nas maternidades avaliadas
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9511
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Saúde Coletiva

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo8748_1.pdf1,18 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.