Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/942
Título: O fenômeno pós-mangue na cena musical pernambucana
Autor(es): SOUZA LEÃO, Fabiana de
Palavras-chave: Cena pós-mangue; Sociedade Midiática; Consumo; Novas Tecnologias; Mercado e Distribuição
Data do documento: 2007
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: de souza Leão, Fabiana; Carvalho Benício de Mello, Sérgio. O fenômeno pós-mangue na cena musical pernambucana. 2007. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.
Resumo: O pós-mangue constitui fenômeno sócio-cultural-musical genuinamente contemporâneo e pós-moderno, com produção musical independente. Ensaios, gravação, prensagem, divulgação e distribuição de CDs e DVDs são viabilizados com recursos próprios e por meio de incentivos culturais. Alguns eventos culturais locais, como Abril Pro Rock, RecBeat, Coquetel Molotov, promovem as bandas independentes. Shows e venda alternativa de CDs, DVDs, representam a principal fonte de renda. A divulgação ocorre em sites, como MySpace, Orkut e blogs, onde são disponibilizadas músicas para downloads gratuitos em formato MP3. O Pós-Mangue revela-se desdobramento do Movimento Manguebeat que surge da periferia migrando para o centro e se mantendo central. Enquanto que a cena independente roqueira, situada no tempo e espaço (a)pós-mangue, mostra-se apartada das origens mangüísticas sendo ainda predominantemente central. Neste estudo etnográfico, que prioriza bandas alternativas da cena rock pernambucana, observa-se que The Playboys prioriza o humor, a sátira e a paródia, com letras que referem-se à particularidades e excentricidades da cena musical recifense. Enquanto Vamoz! foca na internacionalização, composições em inglês, estilo indie, com shows realizados em outros estados do país e em processo de agendamento para o Exterior. Em contrapartida, os Subversivos produzem um pós-punk rock socialista, letras subversivas e indignadas, denunciam desigualdades sócio-econômicas, com divulgação e distribuição ainda incipientes. Cenário cultural de identidades plurais, ideologias nebulosas, mercados independentes, consumo fulgaz, volátil, descartável, mutante. Espaço simbólico de interações permeadas por intolerâncias, conflitos e lutas. A Manguetown revela-se pósmoderna, cosmopolita, universal, antropofágica. Mas também rural, particular, regionalista. Encruzilhadas, complexidades, errâncias contemporâneas, repletas de tensões, intolerâncias, incompletudes
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/942
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Administração

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo1236_1.pdf9,47 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.