Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9336
Título: Utilização da relactação como método de transição alimentar em recém-nascidos prematuros com ou sem morbidades perinatais
Autor(es): de Costa Azevedo, Paula
Palavras-chave: Recém-nascido; Prematuro; Baixo peso; Morbidade; Transição alimentar; Aleitamento materno
Data do documento: 31-Jan-2009
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: de Costa Azevedo, Paula; Maria Osório de Cerqueira, Mônica. Utilização da relactação como método de transição alimentar em recém-nascidos prematuros com ou sem morbidades perinatais. 2009. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.
Resumo: Alimentar o recém-nascido pré-termo e de baixo peso de forma adequada é de suma importância para um satisfatório crescimento e desenvolvimento. No entanto, o alto índice de morbidades clínicas perinatais, inerentes a esta população, interfere diretamente no estabelecimento do aleitamento materno exclusivo durante a internação hospitalar. Este estudo justifica-se então, por apresentar a técnica da relactação como auxílio no processo de transição alimentar da sonda orogástrica para o aleitamento materno. Tem por objetivo caracterizar os neonatos prematuros e de baixo peso, analisando suas morbidades, assim como sua influência quanto ao ganho de peso, tempo de transição alimentar e tempo para a alta hospitalar, durante a utilização da relactação como método para o estabelecimento do aleitamento materno exclusivo no período de hospitalização. A revisão da literatura foi baseada em pesquisa bibliográfica nas bases de dados Medline, Scielo, Lilacs e PubMed, utilizando os termos recém-nascido pré-termo , baixo peso ao nascer , morbidade , transição alimentar e aleitamento materno , além de pesquisa adicional em dissertações, teses e livros especializados. O artigo original foi elaborado a partir do banco de dados de um estudo retrospectivo, descritivo, do tipo série de casos, realizado no Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira Imip, no período de agosto de 2002 a abril de 2005. A literatura refere que, apesar das morbidades clínicas perinatais comprometerem o início do período de transição alimentar, após estabilização clínica, um grande percentual de neonatos conseguem ser amamentados exclusivamente no peito materno no momento da alta hospitalar. Este estudo confirma estes resultados, ao constatar que, através da relactação, o estabelecimento do aleitamento materno exclusivo esteve presente em 70,2% dos recémnascidos pré-termos com intercorrências. Não foi encontrada diferença estatisticamente significativa em relação ao ganho de peso e tempo de transição entre os grupos com e sem morbidade clínica perinatal. No entanto, a diferença quanto ao tempo até a alta hospitalar foi significativa, devido à gravidade das morbidades de alguns neonatos e o consequente atraso do início do processo de transição alimentar. Apesar da escassez de literatura científica, não há dúvida, nestes estudos, assim como no Serviço onde foi realizada esta pesquisa, acerca dos benefícios da prática da relactação em recém-nascidos prematuros de baixo peso e com morbidades clínicas perinatais. Contudo, não se pode afirmar se esta prática é realizada de forma sistemática pelas unidades de saúde, o que reforça a necessidade de um maior número de estudos abordando está temática
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9336
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Saúde da Criança e do Adolescente

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo4084_1.pdf601,13 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.