Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9291
Title: Fitossociologia em áreas com diferentes históricos de uso e fixação biológica de nitrogênio em caatinga madura na Paraíba
Authors: Queiroz de Souza, Leonardo
Keywords: Regeneração;Riqueza;Densidade;Área basal;Área de copa;Semi-árido.
Issue Date: 31-Jan-2010
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Queiroz de Souza, Leonardo; Valadares de Sa Barretto Sampaio, Everardo. Fitossociologia em áreas com diferentes históricos de uso e fixação biológica de nitrogênio em caatinga madura na Paraíba. 2010. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Energéticas e Nucleares, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.
Abstract: Foi realizado o levantamento fitossociológico em sítios com três diferentes históricos de uso, em Santa Terezinha, na Paraíba (07º 00 S e 37º 23 W): vegetação nativa regenerando há 10 anos (R10); vegetação nativa regenerando há 25 anos (R25); e caatinga madura com mais de 50 anos, sem maior antropismo (C50). Em C50, foram estimadas as quantidades de nitrogênio fixadas anualmente, medindo as proporções de N fixado (%Ndda) e as quantidades de N nas biomassas de folhas de leguminosas arbóreas. Para cada histórico foram demarcadas três parcelas de 20 x 50m e em cada uma foram medidas todas as plantas com diâmetro do caule 3 cm. O %Ndda em C50 foi calculado comparando as concentrações de 15N das plantas leguminosas e de referência. A biomassa de folhas foi estimada usando equações alométricas baseadas nos diâmetros dos caules a altura do peito (DAP). Em R10, R25 e C50, foram encontradas 4, 13 e 16 espécies e em todos os sítios 17 espécies, pertencendo a 17 gêneros e 12 famílias. São valores de riqueza mais baixos que os registrados para a maioria de outras caatingas, mas semelhantes aos de outras áreas da Depressão de Patos e do Seridó do Rio Grande do Norte. Os valores de densidades (693, 1100 e 1200 ind.ha-1), áreas basais (5,8, 6,3 e 11,0 m2.ha-1), áreas de copa (6045, 6280 e 8460 m2.ha- 1) e biomassas aéreas (29, 30 e 52 Mg.ha-1) também foram mais baixos que os citados na literatura para outras áreas de caatinga. Estes dados comprovam o baixo porte e a fisionomia aberta da caatinga, mesmo na área de caatinga madura. O número proporcionalmente mais baixo de espécies que das outras variáveis, em R10 em relação a C50, indica que a riqueza leva mais tempo para se recuperar que a estrutura da comunidade. R10 foi dominada por Mimosa tenuiflora (>98% das medidas) que ainda era importante em R25 (50% das medidas), mas não em C50 (<4%). A Caesalpinia pyramidalis teve um padrão inverso, mas só atingiu 30-35% das medidas em C50, dividindo a dominância com Piptadenia stipulacea e Commiphora leptophloeos. Mimosa tenuiflora, Piptadenia stipulacea e Anadenanthera colubrina tiveram grandes proporções de seus conteúdos de N derivado da atmosfera. O número de espécies fixadoras em C50 foi baixo, e a biomassa de folhas correspondeu de 5 a 10% da biomassa total. A quantidade de N nas folhas foi maior nas leguminosas do que nas não11 leguminosas. A baixa densidade de plantas e a baixa biomassa de folhas das espécies fixadoras contribuíram para que fosse relativamente baixa a quantidade N fixado nas folhas (10,6 a 15,1 kg.ha-1). Embora baixa, é quase duas vezes o valor estimado para o agreste
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9291
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Tecnologias Energéticas e Nucleares

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo2674_1.pdf1.1 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.