Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9276
Título: Avaliação da terapêutica com atividades ajustadas e fixas de 444, 555 e 740 MBq de ¹³¹I em pacientes com doença de Graves
Autor(es): SILVA, José Marcos Ferreira da
Palavras-chave: Doença de Graves; Fatores de risco; Tireoide; Atividade fixa; Radioiodoterapia
Data do documento: 31-Jan-2010
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Marcos Ferreira da Silva, José; Antonio Filho, João. Avaliação da terapêutica com atividades ajustadas e fixas de 444, 555 e 740 MBq de ¹³¹I em pacientes com doença de Graves. 2010. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Energéticas e Nucleares, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.
Resumo: Doença de Graves constitui a forma mais comum de hipertireoidismo e é diretamente causada por autoanticorpos que ativam o receptor do TSH. As opções de tratamento são DAT, cirurgia e 131I. Devido ao baixo custo-benefício e à fácil administração, o 131I vem sendo cada vez mais usado como primeira escolha de tratamento. O principal objetivo deste estudo foi avaliar a terapêutica com atividades fixas e os respectivos fatores de risco. Foram avaliados o percentual de captação máxima de 24h de 131I e a massa de tireoide de 25 pacientes submetidos ao radiodiagnóstico com atividade fixa de 555 MBq de 99mTc, para calcular as atividades ajustadas; e a evolução da função tireoidiana de 171 pacientes submetidos à radioiodoterapia com atividades fixas de 444, 555 e 740 MBq, no SMN-HC UFPE, no período de janeiro de 2004 a dezembro de 2009. Foram analisados a relação entre atividades fixas e ajustadas; associação entre sexo, idade, massa de tireoide, duração da DG antes da radioiodoterapia, uso prévio de DAT e a relação entre a dose de medicação prévia e a massa corporal; no decorrer de 12, 24 e 36 meses após a terapia. As taxas de remissão do hipertireoidismo de 85,0 %, 73,5 % e 47,4 % foram estatisticamente significativas (p = 0,026) para todos os Grupos, 24 meses após a radioiodoterapia. As taxas de remissão foram inversamente proporcionais às atividades administradas, o que é possível concluir, que os critérios usados na prescrição das atividades fixas, não tenham sido adequados. Foi encontrada uma correlação de 7 % entre as atividades fixas e ajustadas. A análise de regressão logística mostrou que a remissão do hipertireoidismo foi estatisticamente significativa (p < 0,05) para os fatores de risco: sexo feminino e massa de tireoide de 31 a 60 g, no seguimento de 24 meses do Grupo tratado com 555 MBq de 131I. A análise de riscos proporcionais de Cox identificou diferenças significativas (p < 0,05) para os fatores de risco: medicação prévia, relação entre dose de medicação prévia e massa corporal e duração da DG antes da radioiodoterapia, apenas no seguimento de 36 meses dos três Grupos
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9276
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Tecnologias Energéticas e Nucleares

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo2672_1.pdf3,45 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.