Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/914
Title: Nem boa, nem ruim: a qualidade de vida camponesa em terras de reserva ecológica: etnografia do caso de Porteira Preta, Gurjaú - PE
Authors: Rosemberg Rocha Cantarelli, Jonnhy
Keywords: família; terra; trabalho; relações vicinais; honra; hierarquia; reciprocidade
Issue Date: 2005
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Rosemberg Rocha Cantarelli, Jonnhy; Parry Scott, Russell. Nem boa, nem ruim: a qualidade de vida camponesa em terras de reserva ecológica: etnografia do caso de Porteira Preta, Gurjaú - PE. 2005. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005.
Abstract: Baseado em pesquisa etnográfica, o presente trabalho busca a interpretação da qualidade de vida e os seus liames de vulnerabilidade em um grupo social que habita terras estatais, a Reserva Ecológica de Gurjaú, a maior da Região Metropolitana do Recife. Tomando este grupo como componente de um campesinato marginal ao sistema de plantation , a qualidade de vida é interpretada a partir de uma abordagem ao cotidiano, no qual se constroem os ideais, e se apresentam as condições reais da qualidade de vida. Tomando como ponto de partida elementos teóricos definidores da categoria de análise campesinato , observa-se que a qualidade de vida é algo que se relaciona à família, à terra, ao trabalho, às relações vicinais, bem como a partir de elementos subjetivos e universais como a honra, a hierarquia e a reciprocidade. As particularidades naturais, históricas e sociais do espaço também são consideradas, bem como a relação com a sociedade envolvente a este campesinato. A qualidade de vida se correlaciona às condições objetivas e subjetivas correlacionadas à totalidade de existência humana. O contexto local tanto participa positiva, quanto negativamente na vivência da qualidade de vida, num espaço que pode ser subdivido em três distintos ambientes: o mundo da cana , a natureza selvagem e o mundo dos sítios como unidade familiar individual ou no sentido de comunidade. Nesses três mundos se apresenta um tanto da ambigüidade da vida camponesa, pois embora cada um tenha sua importância para a definição da qualidade de vida, também participam de forma negativa. Em se tratando do que dificulta a vivência da qualidade de vida camponesa, pode-se dizer que as principais forças são provenientes da sociedade envolvente, principalmente do Estado. Estado que atualmente instalou um conflito com a população na tentativa de reintegração de posse das terras, algo que vem corroborando para o questionamento sobre a própria vida da comunidade
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/914
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Antropologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo4476_1.pdf818.6 kBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.