Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9109
Título: Intervenção fisioterapêutica em pacientes com constipação crônica funcional
Autor(es): SILVA, Carlos André Gomes
Palavras-chave: Constipação intestinal; Doença funcional do cólon; Fisioterapia
Data do documento: 31-Jan-2010
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: André Gomes Silva, Carlos; Eugenia Farias Almeida Motta, Maria. Intervenção fisioterapêutica em pacientes com constipação crônica funcional. 2010. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.
Resumo: Racional: É freqüente na criança com constipação crônica funcional evitar a defecação por causa dos episódios de dor. Este comportamento voluntário leva a dificuldade em produzir força de propulsão das fezes e a diminuição da motilidade colônica. Há a necessidade de tratamentos complementares devido a ação limitada do tratamento habitual. A fisioterapia, através da massagem abdominal e do treinamento muscular abdominal e do diafragma, pode reverter os danos da constipação crônica funcional ao melhorar a coordenação dos músculos envolvidos na defecação à medida que estimula o mecanismo de propulsão fecal e os movimentos colônicos. Objetivo: Avaliar o efeito do treinamento muscular e da massagem abdominal no tratamento da constipação crônica funcional. Métodos: O estudo foi realizado nos ambulatórios de Pediatria do Hospital das Clínicas e do Hospital Barão de Lucena. Participaram crianças e adolescentes com idade entre 4 a 18 anos, incluídos no período de março de 2009 até março de 2010. Foi realizado estudo de intervenção randomizado e controlado por seis semanas, com 66 pacientes diagnosticados pelo critério de Roma III. Foram formados dois grupos paralelos: fisioterapia (técnicas fisioterapêuticas + laxante; N=33) e controle (laxante; N=33). As técnicas fisioterapêuticas consistiram de treinamento muscular de abdominais e diafragma e massagem abdominal. A medida de resultado primária foi frequência de defecações e incontinência fecal/semana. A análise foi realizada por intenção de tratar, considerando perdas no acompanhamento como falha no tratamento. Para proporções foi utilizado o teste de qui-quadrado, para as variáveis numéricas com distribuição normal, o teste t de Student. Considerou-se o ponto de corte de 5% no nível descritivo (p < 0,05) para significância estatística. Resultados: Antes da intervenção, a frequência de defecações foi 2,7±2,3 dias/semana no grupo fisioterapia e 2,9±2,1 dias/semana no grupo controle (p=0,61) e de incontinência fecal foi 3,5±2,8 dias/semana no grupo fisioterapia e 3,5±2,6 dias/semana no grupo controle (p=0,96). Quanto à presença das manobras retentivas, não houve diferença entre os grupos fisioterapia (5/33; 15,2%) e controle (10/33; 30,3%) (p=0,24). Após a intervenção, a frequência de defecações no grupo fisioterapia foi 5,1±2 dias/semana e no grupo controle foi 3,9±2,1 dias/semana (p=0,02). Não houve diferença entre os grupos fisioterapia (3,4±1,8 dias/semana) e controle (3±2,1 dias/semana) quanto à frequência de incontinência fecal (p=0,46). O comportamento retentivo foi mantido (p=0,77) nos grupos fisioterapia (7/33; 21,2%) e controle (9/33; 27,3%). Conclusão: O treinamento muscular e a massagem abdominal aumentaram a frequência de defecações, embora não reduziram os episódios de incontinência fecal. É possível que o comportamento retentivo não possibilite mudanças nos episódios de incontinência fecal no curto prazo, sobretudo porque os pacientes mantiveram as queixas de dor e esforço à defecação, além da consistência aumentada das fezes
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9109
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Saúde da Criança e do Adolescente

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo1395_1.pdf871,45 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.