Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9098
Title: Avaliação da eficácia da técnica de Breath Stacking em mulheres obesas mórbidas quanto à distribuição da ventilação regional na caixa torácica
Authors: de Melo Barcelar, Jacqueline
Keywords: Pletismografia Optoeletrônica; Breath Stacking; Ventilação pulmonar; Obesidade
Issue Date: 31-Jan-2011
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: de Melo Barcelar, Jacqueline; de Fátima Dornelas de Andrade, Armele. Avaliação da eficácia da técnica de Breath Stacking em mulheres obesas mórbidas quanto à distribuição da ventilação regional na caixa torácica. 2011. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.
Abstract: Objetivos: Conhecer o padrão de distribuição da ventilação na caixa torácica em mulheres com diferentes padrões de obesidade, e avaliar a eficácia da técnica de Breath Stacking (BS) em mulheres com obesidade mórbida. Métodos: O estudo foi realizado em duas etapas. A primeira foi um estudo transversal com 32 mulheres obesas (IMC≥40kg/m2) e 29 mulheres com peso normal (IMC=18,5 - 24,9 kg/m2) na faixa etária entre 19 e 60 anos , dividida em grupos de acordo com a relação cintura/quadril (RCQ) em GOC-obesidade central (RCQ>0.85),n=21, GOP-obesidade periférica(RCQ≤0.85), n=11 e GC- controle, n=29. Na segunda parte, o estudo foi um ensaio clínico randomizado, cego e controlado com as mulheres obesas. Todas as voluntárias realizaram as avaliações antropométricas e cardiorrespiratórias. Para a avaliação da ventilação pulmonar foi utilizado a Pletismografia Optoeletrônica (POE) durante a respiração basal por um período de cinco minutos. Após randomizadas, as obesas formaram dois grupos: controle (GC) e intervenção Grupo Breath Stacking (GBS). Para a técnica de BS foi utilizado máscara facial com oclusão do ramo expiratório e ventilômetro de Wright. O GBS realizou três técnicas com intervalo de três minutos entre cada manobra, as imagens foram feitas por cinco minutos, antes e após as técnicas. O GC usou o mesmo circuito sem a oclusão do ramo expiratório e seguiu o mesmo protocolo de captação das imagens. Para a comparação entre os grupos foi realizado teste de análise de variância (ANOVA), com post-hoc de Bonferroni e correlação de Pearson para análise de associação entre o IMC, circunferência cintura (CC), circunferência quadril (CQ) e RCQ com as variáveis da ventilação pulmonar. Na segunda etapa, para a comparação dos grupos das variáveis antropométricas foi realizado o teste t não pareado, e para a espirometria e ventilação pulmonar antes e depois em cada grupo foi aplicado o teste t pareado. Resultados: Na primeira etapa, o GOC apresentou diferença na frequência respiratória, volume minuto (VM), tempo expiratório e nas variáveis espirométricas: VEF1 (p=0,00) e CVF (p=0,00) quando comparado ao GC. Na análise da ventilação pulmonar regional, foi encontrada nas obesas maior contribuição do volume corrente no compartimento abdominal (Vc,cab). Enquanto, no GC a maior contribuição foi no volume do compartimento torácico pulmonar (Vc,ctp). Houve correlação do Vc,ab com as variáveis antropométricas: IMC (r=+0,636;p=0,005), RCQ (r=+0,556;p=0,005) e CC (r=+0,,646;p=0,005). Na segunda etapa, o GBS apresentou aumento da contribuição do Vc,cta (p=0,04) e diminuição no Vc,ab (p=0,02), em relação aos valores absolutos do Vc nos compartimentos da caixa torácica. Antes e após a técnica o grupo GBS, não apresentou diferença nas variáveis espirométricas: VEF1(%), CVF(%), VEF1/CVF(%) e Capacidade Inspiratória (CI). Das variáveis da ventilação pulmonar a VM apresentou diminuição (p=0,03) no GBS. Conclusões: A obesidade em mulheres modifica o padrão de distribuição daventilação pulmonar total e regional em relação às mulheres de peso normal. Os dois tipos de obesidade apresentaram diferença na ventilação regional no compartimento abdominal. A obesidade central leva a padrão respiratório rápido e maior impacto na função pulmonar quanto à espirometria. Em relação ao efeito da técnica de BS houve maior contribuição no volume pulmonar na região inferior da caixa torácica. Houve uma redistribuição do volume entre os compartimentos, demonstrando a eficácia da técnica em ventilar áreas pulmonares basais
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9098
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Fisioterapia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo3128_1.pdf2.1 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.