Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9018
Title: Alcances e limites do exame citopatológico com coloração do Papanicolaou no disgnóstico das cérvico-vaginites: um estudo citológico e microbiológico de 2169 casos de um total de 10.064 exames citopatológicos
Authors: do Perpetuo Socorro Silva, Maria
Keywords: Cérvico-vaginites; Papanicolaou; Exame citopatológico
Issue Date: 2004
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: do Perpetuo Socorro Silva, Maria; do Carmo Carvalho de Abreu-e-Lima, Maria. Alcances e limites do exame citopatológico com coloração do Papanicolaou no disgnóstico das cérvico-vaginites: um estudo citológico e microbiológico de 2169 casos de um total de 10.064 exames citopatológicos. 2004. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Patologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.
Abstract: O impacto do exame citológico cérvico-vaginal de Papanicolaou na redução das taxas de carcinoma escamocelular invasor obscureceu o papel desse exame no diagnóstico das cervico-vaginites, com reflexos sobre o Sistema Bethesia (TBS). Os aperfeiçoamentos do TBS no terreno das lesões infra-epiteliais escamosas não foram alcançados no que diz respeito as infecções, apesar dos avanços da pesquisa microbiológica. A autora estudou, a partir de uma amostra de 10.064 exames citopatológicos, dos quais 86% apresentavam inflamação (12,34% leve, 66,22% moderada e 7,44% intensa0. 2169 casos em que foram solicitados exames microbiológicos a critério clínico. O exame microbiológico, representado pela cultura em 94,85% dos casos, revelou freqüência relativa semelhante entre os três tipos de floras mais encontradas no exame citopatológico e microbiológico (p 0,001), as de Lactobacillus sp, Cândida sp., Gardnerella vaginalis, esta última diagnosticada pela ocorrência de célula-guia. Confirmou-se a possibilidade de diagnóstico pelo método de Papanicolaou, dos Lactobacillus sp., Cândida SP., Leptotnix vaginalis, Trichomonas vaginalis. O diagnóstico de Gardnerella vaginalis é seguro, quando se identifica a célula guia. São ainda diagnosticáveis o Actinomyces spp. Chlamydia trachomatis, streptococus sp, e provavelmente, Mobiluncus spp. Confirmamos que a codificação das floras F1 a F11 não deve ser utilizada. Como conseqüência do estudo, propomos as seguintes modificações no sub-item ?infecções? do TBS, em relação as especificações dos microorganismos. 1) Manutenção do item Lactobacillus sp 2) Substituição de ?Alteração da flora vaginal compatível com vaginose? por ?Gardnerella vaginalis com presença de célula-guia. 3) Inclusão do tópico ?Alteração da flora a esclarecer com exame microbiológico?. Esta última observação permitirá ao citopatologista, comunicar ao clínico, a necessidade de investigar os casos suspeitos de infecção ao exame citológico
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/9018
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Patologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo8842_1.pdf1.48 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.