Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8955
Título: Um estudo sobre os índios Xukuru a partir da noção de continuidade do self
Autor(es): Cavalcanti de Torres, Vanessa
Palavras-chave: Dialogismo; Grupo Focal; Índios Xukuru; Continuidade na Mudança; Self
Data do documento: 31-Jan-2011
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Cavalcanti de Torres, Vanessa; da Conceição Diniz Pereira de Lyra, Maria. Um estudo sobre os índios Xukuru a partir da noção de continuidade do self. 2011. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia Cognitiva, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.
Resumo: O objetivo deste estudo foi compreender os índios Xukuru, a partir da noção de continuidade do self que, segundo Chandler e Colaboradores, diz respeito ao processo de se reconhecer a mesma pessoa ou de resolver o paradoxo de continuar o mesmo, apesar das mudanças inevitáveis ocorridas no decorrer do tempo. Chandler e Lalonde (1998, 2008, no prelo ) apontam em suas pesquisas que os aborígines do Canadá foram perdendo, ao longo da história de colonização do seu povo, o senso de pertencimento e envolvimento em relação ao local onde vivem. Nesse sentido, a percepção de uma identidade desconexa do contexto cultural pode favorecer dificuldades para resolver o dilema da continuidade na mudança. Sendo assim, os indivíduos necessitam de uma justificativa para persistirem através do tempo, mesmo diante de tantas transformações. Ao refletir dessa forma, pode-se compreender que a continuidade passa a ser um aspecto constitutivo do self e da cultura, necessitando assim de conexão entre passado, presente e futuro. Quando uma perturbação tal dificulta esta conexão, o suicídio, transtornos psiquiátricos e até envolvimento com drogas, aparecem como uma atitude que refletem uma falta de perspectiva e compromisso com si mesmo e com a cultura a qual pertence. De forma semelhante ao que se observou em relação aos sujeitos da pesquisa de Chandler, o povo Xukuru passou por intensas mudanças, ao longo de sua história, resultando em conflitos e mortes. Em consequência, eles foram expulsos de seu território, só retomando há pouco mais de duas décadas, podendo estes acontecimentos terem favorecido processos de dificuldade em resolver o dilema de continuar o mesmo frente às mudanças inevitáveis da vida. Sendo assim, a análise dessa população, a partir de uma perspectiva dialógica, enfrenta o desafio de abarcar a dinâmica e poder construtivo do diálogo. Os resultados emergiram da discussão de um grupo focal (GF), composto de onze índios Xukuru de Pesqueira, Pernambuco. Esta discussão, construída coletivamente, versou sobre o dilema continuidade versus mudança desses indivíduos. O diálogo foi analisado de acordo com as relações estabelecidas entre o posicionamento das falas dos participantes, destacando-se o dilema proposto, o framing e a circulação de ideias. Observamos que o dilema proposto a continuidade e mudança desses indivíduos assumiu a forma de uma discussão aberta. O framing caracterizou-se como um diálogo de reflexões de suas vidas e tradições. Com relação à circulação de ideias, identificamos cinco tópicos contendo alusão a diversos conteúdos semânticos relativos à continuidade desses indivíduos frente às mudanças resultantes do processo de colonização sofrido . Investigamos a trajetória tomada por estes tópicos e suas modificações no diálogo sobre o dilema referido. A análise aponta para o uso de citações literais de frases relembrados por eles, ao falar sobre o cacique falecido da aldeia. Foram identificados padrões globais de temas que exploram um conhecimento social compartilhado que sugerem representações sociais, razoavelmente estáveis, dos fatos traumáticos ocorridos. Evidenciou-se um padrão temático recorrente: a perseguição sofrida e as lutas travadas para retomada do território e de seus direitos. Todavia, sugere-se que os indivíduos diferem nas possibilidades de resolverem o dilema de continuarem os mesmos apesar das marcantes mudanças sofridas. Encontraram-se padrões de resistência à mudança ao lado de uma maior flexibilidade em aceitá-las e, assim, desenvolverem perspectivas para o futuro
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8955
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Psicologia Cognitiva

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo9005_1.pdf735,27 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.