Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8887
Título: Relação entre níveis de proteína c-reativa e hipertensão em mulheres atendidas no ambulatório de cardiologia do Hospital dos Servidores do Estado de Pernambuco
Autor(es): Viviane de Souza Ferreira, Karen
Palavras-chave: Reativa Ultra Sensível; Proteína C; Fatores de risco; Hipertensão
Data do documento: 2007
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Viviane de Souza Ferreira, Karen; Kruse Grande de Arruda, Ilma. Relação entre níveis de proteína c-reativa e hipertensão em mulheres atendidas no ambulatório de cardiologia do Hospital dos Servidores do Estado de Pernambuco. 2007. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Nutrição, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.
Resumo: Com o objetivo de avaliar o perfil inflamatório de hipertensas, foi estudada, no período de 07 de agosto a 02 de setembro de 2006, uma amostra de 99 mulheres &#8805;25 e &#8804;65 anos, de um hospital da rede pública do Estado de Pernambuco. O estudo foi do tipo série de casos, 36 mulheres hipertensas constituíram o grupo-caso, e 63 mulheres normotensas o grupo de comparação. Foram investigadas variáveis demográficas, socioeconômicas, bioquímicas, antropométricas, clínicas, dietéticas e outros fatores de risco (tabagismo, alcoolismo, atividade física). A idade média da amostra é de 50 anos e o nível de instrução 2o grau completo. As variáveis Pressão Arterial Sistólica/Pressão Arterial Diastólica, glicose e Proteína C - Reativa Ultra Sensível apresentaram distribuição assimétrica. Os níveis plasmáticos de Proteína C - Reativa Ultra Sensível nos pacientes hipertensos, estimados pela mediana, foram iguais a 1,75mg/L. O nível de Proteína C - Reativa Ultra Sensível nos pacientes normotensos, estimado pela mediana, foi igual a 1,53mg/L. Idade, níveis elevados de Lipoproteína de Baixa Densidade, colesterol total e circunferência abdominal aumentada se mostraram associados à hipertensão (p <0,05). Apesar do baixo consumo de vegetais, o de dois legumes (berinjela e pepino) se mostrou associado à pressão arterial. O perfil inflamatório, avaliado pela Proteína C - Reativa Ultra Sensível, não mostrou ser um possível fator de risco para essa população, embora 75% dos hipertensos apresentassem concentrações de Proteína C - Reativa Ultra Sensível >1mg/L. Os dados são indicativos da necessidade de um programa de intervenção primária mais efetivo, relativo aos fatores de risco avaliados na população estudada, principalmente voltado para o grupo sem diagnóstico de hipertensão. O papel da Proteína C - Reativa Ultra Sensível como um fator de risco para pacientes portadores de hipertensão merece ser melhor investigado
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8887
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Nutrição

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo8747_1.pdf848,84 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.