Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8886
Título: Fitoplâncton do estuário do Rio Formoso (Rio Formoso, Pernambuco, Brasil): biomassa, taxonomia e ecologia
Autor(es): Silva, Marcos Honorato da
Palavras-chave: Taxonomia; Fitoplâncton; Estuário; Rio Formoso (PE)
Data do documento: 2003
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Honorato da Silva, Marcos; Zanon de Oliveira Passavanté, José. Fitoplâncton do estuário do Rio Formoso (Rio Formoso, Pernambuco, Brasil): biomassa, taxonomia e ecologia. 2003. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Oceanografia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.
Resumo: O estuário do rio Formoso está inserido na Área de Proteção Ambiental de Guadalupe, no município de Rio Formoso, Pernambuco, localizado a cerca de 92km da cidade do Recife (8º 37 - 8º 41 S e 35º 04 - 35º 08 W). É um importante ecossistema costeiro do litoral sul do Estado de Pernambuco, principalmente, por possuir uma grande biodiversidade com enorme potencial biológico, exercendo um papel de grande importância socioeconômica para a população local. Com o intuito de conhecer a biomassa, a ecologia e a composição da flora planctônica, as variações sazonal e espacial, a influência da pluviometria e dos parâmetros hidrológicos, desenvolveu-se esta pesquisa pioneira na área. As coletas foram realizadas em 2002 em três estações fixas durante o período chuvoso (maio, jun. e jul./02) e de estiagem (out., nov. e dez./02). Os dados de pluviometria se originaram da Estação Meteorológica de Porto de Galinhas (Ipojuca, Pernambuco). Foram registrados in situ dados sobre a profundidade local, a temperatura, a transparência da água e, concomitantemente, coletadas amostras d água com auxílio da garrafa tipo Nansen para a análise dos parâmetros hidrológicos e biológicos. As amostras do microfitoplâncton foram obtidas através de arrastos horizontais superficiais, com rede de comprimento de 1m e 65μm de abertura de malha, durante 3 minutos. Mediu-se a biomassa fitoplanctônica através das concentrações de clorofila a. Foram identificados 204 táxons infragenéricos sobressaindo às diatomáceas com 75% do total da comunidade. Destacaram-se tanto em abundância relativa como em freqüência de ocorrência: Odontella mobiliensis, Chaetoceros costatus, Chaetoceros curvisetus, Chaetoceros sp, Coscinodiscus centralis, Bacillaria paxillifera, Lithodesmium undulatum, Paralia sulcata, Nitzschia sigma, Chaetoceros lorenzianus, Gyrosigma balticum, Surirella febigerii e Entomoneis alata. Destacaram-se ainda Trachelomonas sp e Phacus acuminatus com percentuais elevados de abundância relativa no período de estiagem nas baixas-mares. Os dinoflagelados constituíram o segundo grupo da flora, seguido das cianofíceas, clorofíceas, euglenofíceas e dos silicoflagelados. Os índices de diversidade caracterizaram o ambiente como de média a baixa diversidade específica. A profundidade nas estações de coleta variou de 1,8 a 9,7m; a temperatura (24,5 a 29,5°C), variou sazonalmente com maiores valores no período de estiagem, não foi observada estratificação térmica na coluna d água; transparência da água de 0,25 a 3,67m, com menores valores no período chuvoso; salinidade (1,33 a 36,30), variou desde ambiente oligoalino a eualino, mostrando um gradiente decrescente da estação 3 para 1, a distribuição vertical da salinidade permitiu classificá-lo como sendo do tipo bem misturado; o oxigênio dissolvido (2,92 a 6,25ml.l-1), em geral diminuiu da estação 3 para 1; as taxas de saturação do oxigênio permitiram identificá-lo como de baixa saturação na baixa-mar e, na preamar, como zona saturada; pH manteve-se sempre alcalino, variando de 7,05 a 8,88, com maiores valores nas preamares; nitrito, nitrato e fosfato de valores indetectáveis a 0,48; 6,30 e 0,77μmol.l-1, respectivamente e silicato de 7,14 a 75,63μmol.l-1, maiores concentrações de nutrientes ocorreram durante o período chuvoso e nas baixa-mares, à exceção de silicato; biomassa algal de 2,45 a 70,22mg.m-3, apresentando uma sazonalidade com maiores concentrações no período chuvoso e, em sua maioria, índices elevados, caracterizando o ambiente como eutrófico
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8886
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Oceanografia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo8356_1.pdf1,91 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.