Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8784
Title: Dinâmica e organização trófica de assembléias de peixes associadas aos prados de capim marinho (Halodule Wrightii) de Itamaracá, Pernambuco
Authors: Helena Lima Schwamborn, Silvia
Keywords: Pradarias de capim marinho (halodule wrightii); Itamaracá
Issue Date: 2004
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Helena Lima Schwamborn, Silvia; Padovani Ferreira, Beatrice. Dinâmica e organização trófica de assembléias de peixes associadas aos prados de capim marinho (Halodule Wrightii) de Itamaracá, Pernambuco. 2004. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Oceanografia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.
Abstract: Pradarias de fanerógamas marinhas são amplamente distribuídas em águas costeiras de regiões tropicais e temperadas do mundo, criando um dos ecossistemas marinhos mais produtivos do planeta. A Ilha de Itamaracá, localizada no litoral Norte de Pernambuco, abriga um extenso e complexo sistema estuarino, o qual envolve um mosaico de ecossistemas, incluindo os prados de Halodule wrightii Ashers. O presente estudo teve como objetivos principais estudar a estrutura da comunidade, organização trófica e função ecológica dos prados de capim marinho da praia de Forno da Cal, Itamaracá, Pernambuco. Foram realizadas coletas durante três noites consecutivas, em torno da lua nova de cada mês, em três estações nos prados de capim marinho e três estações em planícies de areia adjacentes, no período de setembro de 2000 à dezembro de 2001, perfazendo 16 meses de coletas. As coletas foram realizadas utilizando-se uma rede retangular (abertura de 1 x 2 m) de arrasto composta de saco (abertura de malha de 5 mm) e sobre-saco (abertura de malha de 2 mm). Foram efetuados 240 arrastos, sendo 180 noturnos mensais regulares nos prados, alem de 36 arrastos adicionais diurnos nos prados e 24 arrastos nas planícies de areia adjacentes aos prados. Foram coletados, identificados, medidos e pesados 128.699 organismos da macro- e mega-epifauna. Crustáceos (sobretudo camarões carídeos, camarões peneídeos e siris) e peixes foram os dois grupos mais freqüentes nas amostras. Foram coletados, pesados, medidos e identificados 3.530 indivíduos de peixes, sendo 3.149 indivíduos de peixes identificados até o menor nível taxonômico possível. Foram registradas 121 espécies, 73 gêneros e 48 famílias de peixes. Em relação à morfologia e à aparência externa geral dos peixes, observou-se para a comunidade coletada pela malha de 5mm, uma predominância de formas juvenis. Na malha de 2 mm, foram coletadas sobretudo pós-assentantes. Pela malha de 5 mm, as espécies Eucinostomus lefroyi e Achirus lineatus foram as mais freqüentes, enquanto que pela malha de 2 mm, as espécies Symphurus plagusia e Eucinostomus lefroyi. A abundância nos prados de capim marinho variou em média, pela malha de 5 mm, entre 0,01 e 3,970 x 10-³ indivíduos/m². Apenas E. lefroyi e Lile piquitinga apresentaram valores de abundância superiores a 0,025 indivíduo/m². Com relação aos taxa coletados pela malha de 2 mm, a abundância média variou entre 0,01 e 2,21 x 10-³ indivíduos/m². A maioria dos taxa da comunidade de peixes apresentou alguma fase de seu ciclo de vida associado aos estuários, sendo estes mais abundantes na estação chuvosa do período de estudo. Os taxa com frequência de ocorrência superior a 10% nos prados de capim marinho mostraram os maiores valores de abundância na estação chuvosa. Os prados apresentaram maior diversidade e abundância em relação às planícies de areia adjacentes. A variação mensal dos índices de diversidade (número de espécies, riqueza e diversidade) mostrou os maiores valores associados à estação chuvosa do período de estudo. Em contraste, nesta estação foram observados os maiores valores de equitabilidade na comunidade de peixes. Análises de correlação entre índices de diversidade e variáveis hidrológicas e climatológicas corroboraram estes resultados. O aumento do volume de algas de arribada por área varrida apresentou efeito negativo sobre a diversidade de peixes, com exceção da espécies Symphurus plagusia e E. lefroyi. A maioria dos taxa apresentaram dieta constituída por organismos da meiofauna bêntica. Os resultados das análises de conteúdo estomacal, bem como, de agrupamento e ordenamento de taxa em função da similaridade de suas dietas permitiu a identificação de seis guildas tróficas na comunidade de peixes dos prados de capim marinho: 1) predadores de organismos da meiofauna bêntica ou epífita (com ênfase em Copepoda ou em Amphipoda), 2) predadores de macrocrustáceos, 3) predadores de macrofauna bêntica e vágil, 4) consumidores de vegetais, 5) predadores de Polychaeta e 6) predadores de Mollusca. Os resultados mostraram que estes prados de capim marinho representaram áreas de alimentação para a maioria dos peixes na fase juvenil e de alimentação e abrigo para a maioria dos peixes na fase pós-assentante. Trata-se de ambientes fortemente relacionados ao Complexo Estuarino do Canal de Santa Cruz (CECSC), sendo a forte conexão entre estes habitats estabelecida pelas condições locais hidrológicas e climatológicas, bem como pela fauna caracteristicamente associada a estes ambientes
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8784
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Oceanografia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo8417_1.pdf6.71 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.