Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8771
Title: Níveis de concentrações de metais pesados em macroalgas e em sedimentos marinhos do Estado de Pernambuco - Brasil
Authors: CALADO, Silvana Carvalho de Souza
Keywords: Pernambuco; Macroalgas e sedimentos marinhos; Metais pesados
Issue Date: 2004
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Carvalho de Souza Calado, Silvana; José de Macêdo, Silvio. Níveis de concentrações de metais pesados em macroalgas e em sedimentos marinhos do Estado de Pernambuco - Brasil. 2004. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Oceanografia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.
Abstract: A poluição devida ao teor de metais pesados nas regiões costeiras cresce a cada dia dada ao aumento da introdução desses elementos ao meio ambiente, oriundo de atividades antropogênicas. Uma vez que a bibliografia do assunto é muita vasta, pretendeu-se neste trabalho trazer informações específicas sobre o teor de alguns metais em macroalgas e sedimentos marinhos e suas interações com as características da água do mar, visando diagnosticar a situação atual e sugerir um eficiente monitoramento costeiro para o Estado de Pernambuco. Foram selecionadas duas regiões para este estudo, uma na área Norte (praia de Itamaracá - 7o 45 S e 34º50 W) e outra na área Sul (Praia de Piedade - 08º09 17 S and 34º55 W), por possuirem bancos de algas e apresentarem áreas impactadas por efluentes industriais e domésticos. As macroalgas selecionadas foram Gracilariopsis lemaneiformis e Hypnea musciformis e os elementos químicos foram cobre, chumbo, zinco e ferro. As coletas foram realizadas mensalmente em cada região durante o ano de 2000 a 2001, por 12 meses durante as baixa-mares. As áreas apresentam clima quente e úmido, As na classificação Koppen, com temperatura média anual de 26oC. A climatologia revelou um período seco, de setembro a fevereiro com precipitação média em torno de 120mm e um período chuvoso, de março a agosto, com precipitação média em torno de 440mm. As análises hidrológicas mostraram que a temperatura da água variou entre 28oC e 31oC, a salinidade de 26.38UPS a 36.88UPS e o oxigênio dissolvido de 2.43 a 6.37mL.L-1. As concentrações dos metais nas algas foram determinadas por espectofotometria de absorção atômica e nos sedimentos por fluorescência de Raio-X. Os teores de metais na área sul e norte foram diferenciados. Nas algas as mais elevadas concentrações foram registradas no litoral Sul, sendo a Hypnea musciformis que apresentou a maior capacidade de retenção. Nos sedimentos os maiores teores encontrados foram também no litoral Sul na grande maioria dos casos. Observou-se ainda que, o sedimento retém maior teor de metais em relação às algas estudadas, sendo, portanto o compartimento mais indicado para o monitoramento costeiro destes metais no Estado de Pernambuco. Uma análise exploratória global (áreas Norte e Sul do Estado de Pernambuco) dos dados de teores de metais (chumbo, cobre, ferro e zinco) nos sedimentos e algas marinhas (Gracilariopsis lemaneiformis e Hypnea musciformis), das características físicas e químicas da água e da pluviometria foi realizada utilizando-se a técnica da análise multivariada de projeções em componentes principais. O gráfico dos escores das duas primeiras componentes principais (que representam 36,8% da variabilidade total dos dados), mostrou que as amostras da área Sul são mais dispersas e apresentaram valores mais elevados dos metais nos sedimentos e nas algas. Observou-se ainda que na área Norte ocorreu uma descarga de efluentes carreados pelas chuvas, apresentando uma anomalia no mês de julho com os mais altos teores de metais nos sedimentos. Nesta área as correlações positivas existiram nos sedimentos entre todos os metais, enquanto que para as algas estudadas, observou-se estas correlações entre chumbo e cobre. Nas amostras de sedimentos da área Sul existiram correlações positivas entre os teores de cobre com chumbo e zinco e entre os teores de chumbo com o zinco. Os resultados medianos das concentrações de metais nos sedimentos foram na área Norte: ferro (0,078%), chumbo (6,923mg.kg-1), cobre (38,178mg.kg-1) e zinco (5,610mg.kg-1); e na área Sul: ferro (0,339%), chumbo (5,942mg.kg-1), cobre (48,799mg.kg-1) e zinco (8,388mg.kg-1). Nos tecidos algais, a Gracilariopsis lemaneiformis, apresentou na área Norte, teor de ferro de 141μg.g-1, chumbo de 3,50μg.g-1, cobre de 0,95μg.g-1 e zinco de 33,14μg.g-1 e na área Sul, ferro de 347μg.g-1, chumbo de 2,99μg.g-1, cobre de 1,57μg.g-1 e zinco de 28,57μg.g-1, para a Hypnea musciformis da área Norte foram de ferro 675μg.g-1, chumbo de 8,90μg.g-1, cobre de 1,85μg.g-1 e zinco de 49,93μg.g-1 e na área Sul ferro de 806μg.g-1, chumbo de 5,49μg.g-1, cobre de 2,35μg.g-1 e zinco de 44,57μg.g-1. Entre as algas testadas, a Hypnea musciformis apresentou mais alto teor de metais. Os sedimentos foram considerados como bom indicador para o monitoramento ambiental, por apresentar valores mais elevados de metais do que nas alagas. Não foi possível estabelecer um ritmo cíclico para as concentrações dos metais analisados nas algas e nos sedimentos
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8771
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Oceanografia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo8415_1.pdf1.01 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.