Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8757
Title: Biodiversidade e Biomassa do Macrozooplâncton, com ênfase nos Copepoda (Crustacea), na Plataforma Continental Norte Brasileira
Authors: MELO, Nuno Filipe Alves Correia de
Keywords: Zooplâncton; Biodiversidade; Amazonas; Ecologia Marinha
Issue Date: 2004
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Filipe Alves Correia de Melo, Nuno; Neumann Leitão, Sigrid. Biodiversidade e Biomassa do Macrozooplâncton, com ênfase nos Copepoda (Crustacea), na Plataforma Continental Norte Brasileira. 2004. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Oceanografia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.
Abstract: Estudos sobre a influência da pluma estuarina do rio Amazonas na comunidade macrozooplanctônica foram desenvolvidos visando conhecer a biodiversidade e o gradiente de densidade. A área estudada está inserida na Zona Econômica Exclusiva (ZEE) brasileira e mais especificamente na Plataforma Continental Norte Brasileira (PCNB), tendo sido subdividida em três setores: Litoral Guianense, Golfão Marajoára e Litoral Amazônico Oriental. Amostragens foram feitas em 23 estações oceanográficas durante a Operação Norte IV, realizada pelo navio Oceanográfico Antares , de 28 de julho a 14 de agosto de 2001, em sete perfis perpendiculares à costa dos Estados do Pará e Amapá, abrangendo as províncias nerítica e oceânica. Foram, também, feitas amostragens em 28 estações oceanográficas, realizadas durante as operações de prospecção pesqueira do Programa REVIZEE, em duas campanhas, a Prospec XIX (26/02 a 12/03 de 2001) e Prospec XX (27/03 a 04/04 de 2001), a bordo do navio de pesquisa Almirante Paulo Moreira . As coletas foram realizadas com rede tipo Bongo, com malha de 300 μm, através de arrastos duplos oblíquos. Após as coletas o material era preservado com formol neutro a 4%. Dados hidrológicos foram coletados simultaneamente para fins comparativos. A temperatura máxima foi registrada na estação 79, do perfil 13 (28,81ºC), enquanto que a mais baixa foi na estação 94, perfil 15, com 26,71ºC. A salinidade variou de 26,98 PSU a 36,42 PSU. A biomassa planctônica na operação Norte IV apresentou um mínimo de 11 mg.m-3 (estação 61) e máximo de 388,6 mg.m-3 (estação 79). Na Prospec XIX, o valor mais elevado foi registrado na estação 1, com 108,7 mg.m-3 e mínimo de 14,49 mg.m-3 na estação 6. Durante a Prospec XX, o valor mais elevado foi de 56 mg.m-3 (estação 8) e mínimo de 11,91 mg.m-3 (estação 10). O zooplâncton esteve representado pelos Filos Sarcomastigophora, Cnidaria, Mollusca, Annelida, Crustacea, Bryozoa, Chaetognatha, Echinodermata, Hemichordata e Chordata. Foram totalizados 164 taxa, considerando a menor unidade taxonômica possível de identificar para cada filo, dos quais cento e nove (109) foram de Copepoda. Dentre os Copepoda, destacaramse na província oceânica, Undinula vulgaris, Euchaeta marina, Nannocalanus minor, Clausocalanus furcatus, Scolecitrix danae, Calocalanus pavo, Corycaeus (O.) speciosus, Farranulla gracilis e Oithona plumifera e na província nerítica Subeucalanus pileatus, Temora stylifera e Rhincalanus cornutus. Chaetognatha destacou-se em toda área, principalmente Sagitta tenuis e Sagitta enflata. Dentre os Larvacea foram muito freqüentes Oikopleura spp. e Fitillaria spp., as quais contribuíram com boa parcela da neve marinha , onde se aderiam inúmeros organismos. A espécie Doliolum sp. predominou pontualmente na província nerítica, alcançando 59% da comunidade do macrozooplâncton na estação 79. A média global da diversidade específica das estações neríticas foi 2,29 bits.ind-1 e das oceânicas 2,23 bits.ind-1, sendo que a maior média de diversidade foi na quebra da plataforma. A densidade zooplanctônica na operação Norte IV, variou de um mínimo de 41,2 org.m-3 (estação 94) a um máximo de 3.754,5 org.m-3 (estação 79). Para a campanha Prospec XIX, a densidade zooplanctônica variou de 4,3 org.m-3 (estação 6) a um máximo de 128 org.m-3 (estação 1). Na Prospec XX, a densidade zooplanctônica variou de 25,8 org.m-3 (estação 4) a 86 org.m-3 (estação 15). A pluma do Amazonas causa uma variabilidade extrema na condição hidrográfica da plataforma continental e área adjacente, criando um mosaico complexo de habitats para o desenvolvimento do zooplâncton
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8757
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Oceanografia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo8412_1.pdf3.17 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.