Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8721
Título: Variações das condições hidrológicas e da clorofila a associadas ao cultivo do camarão marinho Litopenaeus vannamei (Boone, 1931), na região estuarina do rio Paraíba do Norte (Paraíba Brasil)
Autor(es): CAVALCANTI, Lourinaldo Barreto
Palavras-chave: Carcinicultura; Litopenaeus vannamei; Qualidade de água; Nutrientes; Clorofila a
Data do documento: 2003
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Barreto Cavalcanti, Lourinaldo; José de Macêdo, Silvio. Variações das condições hidrológicas e da clorofila a associadas ao cultivo do camarão marinho Litopenaeus vannamei (Boone, 1931), na região estuarina do rio Paraíba do Norte (Paraíba Brasil). 2003. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Oceanografia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.
Resumo: A carcinicultura marinha começou a ser praticada no Brasil no início da década de 70, mas somente com a introdução da espécie Litopenaeus vannamei, oriunda do Oceano Pacífico, é que seu desenvolvimento tornou-se realidade. O crescimento da atividade, no entanto, leva à necessidade de se abordar alguns aspectos ligados à sua sustentabilidade, em particular, ao ambiente aquático no qual ela é praticada. Com efeito, existe um intercâmbio permanente de água entre os ambientes de cultivo e o meio externo adjacente, gerando a necessidade de se conhecer as características físicas, químicas e biológicas dessa água, para que se possa identificar possíveis influências positivas ou negativas mútuas. Partindo desse enfoque, o presente trabalho foi realizado com o objetivo de analisar, quanto aos aspectos físico, químico e biológico, a água de viveiros de cultivo de camarão e rios adjacentes que funcionam como fonte de abastecimento e drenagem de efluentes. A pesquisa desenvolveu-se na Fazenda Aquamaris (Paraíba), circundada pelo Rio Paraíba do Norte, atuando como abastecedor de água para os viveiros, e pelos rios Mandacaru e Tambiá, que funcionam como receptores de efluentes. Para a efetivação do estudo, foram usados os viveiros denominados B2 e 15, com áreas de 2,4 e 9,2 hectares, respectivamente. Em cada um deles foram realizados três ciclos de cultivo, ao longo do ano 2000, obedecendo a seguinte seqüência: 26 de fevereiro a 23 de maio (92 dias); 21 de junho a 23 de setembro (97 dias) e 13 de outubro a 29 de dezembro (78 dias). O povoamento dos viveiros efetuou-se com pós-larvas PL20, em densidades variando entre 15,8 e 31,0 PL s/m2. A alimentação dos camarões deu-se à base de ração comercial peletizada com 35% de proteína e o acompanhamento do crescimento foi feito através de biometrias mensais, com amostras correspondentes a 1% da população de cada viveiro. Como média dos três ciclos de cultivo, obteve-se para o viveiro B2, um crescimento de 0,84 g/semana, produtividade de 1.890 Kg/ha e sobrevivência de 61,9 % e para o viveiro 15, 1,08 g/semana, 962 Kg/ha e 47,9 %, respectivamente. Para os estudos hidrológico e biológico dos viveiros foram tomadas amostras de água subsuperficiais, na entrada e saída de cada ambiente, em meses correspondentes às fases inicial e final de cada ciclo de cultivo, efetuando-se também uma análise nictemeral no mês de setembro de 2000. Nos rios, as amostras foram coletadas em um ponto do Rio Paraíba (estação 1), dois pontos no Rio Mandacaru (estações. 2 e 3) e dois no Rio Tambiá (estações. 4 e 5). Foram realizadas medidas de transparência, pH e temperatura e análises de salinidade, oxigênio dissolvido, demanda bioquímica de oxigênio, amônia, nitrito, nitrato, fosfato, silicato e clorofila a. Pela análise multivariada dos dados, foi possível identificar ambientes com perfis bem distintos, considerando-se os parâmetros analisados. O Grupo 1 associou a estação 1 nas fases de baixa -mar e preamar e as estações 2, 3 e 5 nas preamares, onde ficou evidenciada uma maior influência do fluxo marinho. O Grupo 2 compreendeu as estações 2, 3 e 5 durante as baixa-mares e permitiu assinalar a ação de um fluxo intermediário de águas marinhas e limnéticas. O Grupo 3 reuniu dados dos viveiros B2 e 15, que apresentaram características hidrológicas diferentes do ecossistema externo. O Grupo 4 englobou as baixa-mares e preamares da estação 4, que apresentou teores críticos de oxigênio dissolvido e bastante elevados de amônia e DBO, em função da grande quantidade de esgotos domésticos oriundos da cidade de João Pessoa. Na análise dos Componentes Principais, os fatores 1 e 2 explicaram 78,52% da variação dos dados e mostraram uma participação positiva das preamares nas condições ambientais. Por outro lado, foi observado um efeito negativo das baixamares provocando elevados níveis de amônia, fosfato, silicato e DBO. Para os viveiros B2 e 15, a influência da água de abastecimento, as técnicas de manejo utilizadas e os próprios processos biológicos internos, permitiram evidenciar condições ambientais bem diferenciadas em relação ao meio externo e bastante adequadas ao cultivo dos camarões
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8721
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Oceanografia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo8350_1.pdf718,03 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.