Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8689
Título: Avaliação clínica e histomorfológica de lesões fibroósseas benignas dos maxilares
Autor(es): Juvenal da Silva, Raphaela
Palavras-chave: Fibroma Ossificante; Displasia Fibrosa Óssea; Patologia Bucal
Data do documento: 31-Jan-2010
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Juvenal da Silva, Raphaela; Freire Lisboa de Castro, Jurema. Avaliação clínica e histomorfológica de lesões fibroósseas benignas dos maxilares. 2010. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Odontologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.
Resumo: Objetivo: Analisar aspectos clínicos e histopatológicos dos casos de lesões fibro-ósseas benignas (LFOBs) dos maxilares. Método: Foi realizado um estudo retrospectivo dos 19 casos de LFOBs dos maxilares diagnosticadas no laboratório de Patologia Oral da Universidade Federal de Pernambuco no período compreendido entre 1998 e 2009. Foram avaliados dados clínicos referentes ao gênero e idade dos pacientes, localização anatômica e tempo de evolução das lesões, assim como as hipóteses diagnósticas aventadas pelos profissionais requisitantes dos exames histopatológicos. Para o estudo histomorfológico, as LFOBs foram avaliadas quanto à morfologia, grau de maturação e atividade osteoblástica do tecido ósseo. A sobreposição dos principais achados histológicos também foi analisada. Resultados: Dentre as lesões analisadas, 9 eram displasias fibrosas (DFs), 6 fibromas ossificantes (FOs) e 4 displasias ósseas (DOs), sendo 2 floridas, 1 periapical e 1 focal. Todas as LFOBs apresentaram forte predileção pelo gênero feminino e acometeram mais a mandíbula. Com relação às características histomorfológicas do tecido ósseo, a maior parte das DFs e DOs mostrou trabéculas curvilíneas com padrão não-lamelar e sem pavimentação osteoblástica. Os FOs apresentaram maior variabilidade de morfologia do tecido ósseo, com a presença de depósitos esféricos. O trabeculado exibiu atividade osteoblástica, e ambos os padrões de maturação óssea foram verificados. Quando comparadas entre si, as LFOBs apresentaram coincidência em metade dos aspectos histopatológicos analisados. Conclusões: Houve significativa similaridade entre os achados histomorfológicos avaliados. Os dados clínicos não se mostraram suficientes para realizar a distinção diagnóstica entre as lesões, o que indica deficiência de informações no preenchimento das fichas clínicas
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8689
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Odontologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo955_1.pdf2,09 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.